Anja Niedringhaus/AP
Anja Niedringhaus/AP

Rebeldes recuperam terreno na Líbia

A conquista de Ajdabiya, a oeste de Benghazi, é a primeira vitória desde que a coalizão interveio no país, há uma semana

Lourival Sant'Anna, O Estado de S.Paulo

27 de março de 2011 | 00h00

ENVIADO ESPECIAL

AJDABIYA, LÍBIA

Na primeira conquista militar depois que forças da coalizão intervieram na Líbia, há uma semana, combatentes rebeldes retomaram ontem o controle de Ajdabiya, 160 km a oeste de Benghazi, seu principal reduto. A ação por terra seguiu-se a três dias de bombardeios da coalizão contra tropas do ditador Muamar Kadafi. No fim da noite, rebeldes disseram ter recuperado também Brega, a 240 km de Benghazi.

Uma fonte da liderança dos rebeldes disse ao Estado que as forças de Kadafi se reagrupariam e passariam a noite no complexo petrolífero de Ras Lanuf, 220 km a oeste de Ajdabiya; já os combatentes rebeldes o fariam em Al-Gayla, 110 km a leste de Ras Lanuf.

 

 

Veja também: 
especialTwitter: 
Acompanhe Lourival Sant'anna
especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura
blog Arquivo: Kadafi no 'Estado'
especialInfográfico:  A revolta no Oriente Médio
especialEspecial: Os quatro atos da crise
especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi 
 

 

 

O Estado contou 13 tanques e um veículo blindado destruídos, além de outros 10 tanques e 2 caminhões com baterias de foguetes Grad abandonados na entrada leste de Ajdabiya. Grande quantidade de munição, trazida pelas forças de Kadafi no seu cerco de uma semana à cidade, está agora na estrada. O soldado Abdul-Salam Misrati, do Exército regular rebelde, contou que 30 milicianos leais a Kadafi foram mortos na batalha pela retomada da saída leste, e outros 2, presos. "Enfrentamos os homens das kataeb (brigadas de elite) cara a cara", disse Misrati.

O professor Abdul Basset, combatente voluntário de 42 anos, disse que os dois lados avançaram e recuaram várias vezes, na disputa pelo flanco leste de Ajdabiya. "Quando os aviões da coalizão começaram a disparar mísseis contra os tanques, na noite de quarta-feira, eles bateram em retirada e nós tomamos conta da área", disse Basset. A informação que ele tinha era de um total de 50 soldados leais ao regime mortos em Ajdabiya.

Idriss Idrissi, um motorista de 51 anos, caminhava na estrada com seu neto de 1 ano no colo. "É a primeira vez que saio de casa em mais de duas semanas", contou Idrissi. O taxista e sua família não tiveram dúvidas quando ouviram os aviões franceses chegando: "Ficamos muito felizes. Sabíamos que vinham salvar a cidade." Um homem sorria enquanto esfregava a sola de uma bota com um pano verde, representando a bandeira adotada por Kadafi depois do golpe de 1969.

Mas nem tudo era alegria ontem em Ajdabiya. O verdureiro Saleh Mussa Selini, de 54 anos, buscava informação no hospital sobre seu filho Nabil, de 24 anos. O jovem dirigia uma caminhonete quando foi detido pelas forças de Kadafi. O veículo foi encontrado queimado.

Na cidade de Zuara, 113 km a oeste de Trípoli, retomada pelas forças de Kadafi, os soldados perseguiam ontem os rebeldes em suas casas. "Eles têm listas dos manifestantes e vídeos e os estão procurando", disse um morador à Associated Press.

Caças franceses destruíram sete aeronaves líbias em uma base militar em Misrata, cidade que foi fortemente atacada ontem por forças pró-Kadafi.

Em Trípoli, jornalistas tomavam café ontem no Hotel Rixos quando uma mulher entrou no restaurante, chorando e gritando que tinha sido detida numa barreira militar na quarta-feira, amarrada e seviciada durante dois dias por 15 soldados leais a Kadafi. Ela levantou o vestido preto para mostrar sua coxa sangrando. Uma garçonete avançou sobre ela com uma faca de mesa chamando-a de "traidora" e outra cobriu seu rosto com um casaco para calá-la.

Agentes do governo que vigiam os jornalistas agarraram a mulher e a levaram. Alguns jornalistas tentaram impedi-los. Os agentes deram um murro no rosto de um repórter da BBC e jogaram no chão uma câmera da CNN. Não se sabe o que aconteceu com a mulher.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.