Rebeldes retomam cidade estratégica no leste da Líbia

Forças oposicionistas disseram também terem obtido o controle de Brega

Agência Estado

26 de março de 2011 | 09h57

AJDABIYA - Combatentes rebeldes líbios retomaram neste sábado, 26, o controle da estratégica cidade de Ajdabiya, no leste da Líbia, após ataques aéreos dos aliados contra as forças leais do ditador Muamar Kadafi.

 

 

Após tomarem Ajdabiya, os rebeldes líbios afirmaram também terem obtido o controle da cidade de Brega, a 80 km a oeste de Ajdabiya. A informação não foi confirmada. "Brega está 100% ocupada pelas forças rebeldes", afirmou Shamsiddin Abdulmolah, porta-voz dos rebeldes em Benghazi.

 

 

Ajdabiya

 

Mais cedo, motoristas buzinaram e bandeiras dos rebeldes eram balançadas em comemoração à retomada de Ajdabuya. "Sem os aviões não teríamos feito isso. As armas de Kadafi são superiores as nossas", disse Ahmed Faraj, um combatente rebelde de 38 anos. "Com a ajuda dos aviões vamos chegar a Trípoli, pelo desejo de Deus", disse com esperança. 

 

 

Veja também: 
especialTwitter: 
Acompanhe Lourival Sant'anna
especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura
blog Arquivo: Kadafi no 'Estado'
especialInfográfico:  A revolta no Oriente Médio
especialEspecial: Os quatro atos da crise
especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi 
 

A tomada repentina do controle de Ajdabiya pelas forças leais a Kadafi provocou uma mudança na resolução das Nações Unidas, autorizando a ação internacional na Líbia. A volta de seu controle para as mãos dos rebeldes acontece uma semana após os aliados terem dado início aos ataques por mísseis e aéreos contra o exército de Kadafi.

Segundo do combatente Saif Sadawi, de 20 anos, rebeldes tomaram a entrada ao leste da cidade na noite de sexta-feira, 25, e o exército do ditador perdeu o controle da entrada ao oeste no alvorecer deste sábado, após ataques aéreos em ambas entradas. "Toda a Ajdabiya está livre", comemorou.

Na sexta, o comandante norte-americano encarregado de toda a missão internacional, general Carter Ham, afirmou à Associated Press que as forças aliadas poderiam "facilmente destruir todo as forças do regima que estão em Ajdabiya", mas que a cidade seria ao mesmo tempo destruída. "Estaríamos matando todas as pessoas que estamos encarregados de proteger".

Portanto, o foco foi a destruição das comunicações e das linhas de abastecimento que permitem as forças de Kadafi continuarem lutando em Ajdabiya e em outras áreas urbanas como Misrata, disse de sua base em Stuttgart, na Alemanha.

 

Texto atualizado às 18h40

 

(Com informações da Associated Press e Reuters)

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaAjdabiyaguerrarebeldes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.