Rebeldes se dizem prontos para atacar a capital do Haiti

Ante o iminente ataque de rebeldes a Porto Príncipe, partidários do presidente haitiano, Jean-Bertrand Aristide, ergueram barricadas para tentar conter o avanço sobre a capital. Vistas pela população como uma horda de bandidos e mercenários, as milícias pró-governo são o único apoio de Aristide - cuja renúncia passou a ser defendida com mais intensidade por diplomatas estrangeiros que tentavam contornar a crise."Pedimos à população que permaneça em suas casas quando estivermos atacando Porto Príncipe, pois nosso avanço é iminente", advertiu o líder dos rebelde, Guy Philippe, por meio de um pronunciamento a uma rádio de Cap Haitien - a segunda cidade do país, tomada pelos insurgentes na semana passada. "Aconselho o presidente Aristide a abandonar a sede do governo imediatamente. Atacaremos o Palácio Nacional e vamos tomá-lo."Em meio à onda de violência política, que se intensificou há três semanas e já deixou mais de 50 mortos, ganham força os rumores de que membros do governo preparam-se para fugir do país. Os rebeldes rejeitaram a última oferta de mediação internacional, o que diminuiu a capacidade de manobra política de Aristide e levou países como França e EUA, que defendiam a permanência do governo, a rever essa posição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.