Rebeldes seqüestram 300 estudantes no Burundi

Rebeldes hutus atacaram uma escola no norte do Burundi nesta sexta-feira, matando dois estudantes e seqüestrando outros 300 adolescentes, afirmou o Exército. O ataque acontece uma semana após a posse de um governo de transição que tem como missão principal colocar um fim à guerra civil que castiga o país há oito anos. Mas os conflitos entre os rebeldes hutus e o Exército controlado pelos tutsis se intensificaram desde a posse do novo governo em 1º de novembro, colocando em dúvida a viabilidade da equipe governamental. No ataque de hoje, cerca de 100 rebeldes seqüestraram os colegiais com idades entre 15 e 17 anos incendiando um dormitório de uma escola de ensino médio em Musema, a 100 km da capital, Bujumbura, afirmou o porta-voz do Exército, coronel Augustin Nzabampema, à Associated Press. Os rebeldes também incendiaram outras salas de aula da escola e três veículos antes de se retirarem com as crianças, disse Nzabampema. Segundo o coronel, os rebledes usam o seqüestro como forma de recrutamento forçado. Num ataque semelhante na terça-feira, os rebeldes raptaram 80 adolescentes de uma escola nos arredores de Ruyigi, a 96 km a leste de Bujumbura. O governo, liderado pelo presidente Pierre Buyoya, espera implementar um acordo destinado a pôr fim ao conflito - que já matou mais de 200.000 pessoas desde 1993 - que prevê uma administraçãoo compartilhada por tutsis e hutus.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.