Abdalghne Karoof/Reuters
Abdalghne Karoof/Reuters

Rebeldes sírios conquistam cidade na província de Alepo

Khan al-Assal era uma das últimas cidades do local sob domínio das forças de Assad

O Estado de S. Paulo,

22 de julho de 2013 | 15h11

BEIRUTE - Rebeldes sírios conquistaram nesta segunda-feira, 22, a cidade de Khan al-Assal, uma das últimas no oeste da província de Alepo que ainda estavam sob comando das forças do presidente Bashar Assad, segundo ativistas.

O Exército sírio concentrou forças em Alepo, no norte da Síria, para tentar reconquistar a homônima capital regional, mas a ofensiva é prejudicada por contra-ataques dos rebeldes. Em outras regiões da Síria, no entanto, as forças pró-governo tiveram expressivas vitórias nas últimas semanas, revertendo avanços da oposição após mais de dois anos de guerra civil.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos, grupo anti-Assad que monitora a situação no país, disse que oficiais do Exército apresentaram sua rendição em Khan al-Assal na manhã desta segunda-feira, depois de rebeldes cercarem um bairro na zona sul.

Imagens divulgadas por rebeldes na Internet mostraram tanques se retirando da cidade. Outro vídeo mostrava um comandante morto que, segundo rebeldes, liderava a resistência pró-Assad na cidade, que passou semanas sob cerco.

Alepo é parte de um semicírculo de regiões que se tornaram reduto dos rebeldes no norte da Síria. As forças anti-Assad bloqueiam vários bairros dominados pelo governo na cidade de Alepo, maior núcleo urbano da Síria e outrora o polo comercial do país.

As forças de Assad responderam ao avanço rebelde em Khan al-Assal fazendo uma série de operações aéreas na região.

O Observatório diz que mais de 100 mil pessoas já morreram na insurgência síria, que começou após protestos pacíficos contra Assad nas ruas. O conflito já deixou milhões de refugiados internos e externos, além de causar a destruição de edifícios e artefatos antigos no país inteiro./ REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.