Rebeldes sírios entram em Kobani pela fronteira turca

Um pequeno grupo de rebeldes sírios entrou na cidade de Kobani nesta quarta-feira pela fronteira da Turquia com a missão de ajudar os soldados curdos no combate aos extremistas do Estado Islâmico, que tentam dominar a região do território sírio desde meados de setembro.

Estadão Conteúdo

29 de outubro de 2014 | 09h33

Segundo ativistas e autoridades curdas, o grupo é formado por 50 homens armados que integram o Exército Livre da Síria, grupo de rebeldes que luta contra o presidente sírio Bashar Al Assad. A tropa não tem relação com o grupo de combatentes curdos do Iraque, que também deve chegar em Kobani nesta quarta-feira.

Idriss Nassan, autoridade curda de Kobani, informou que o grupo do Exército Livre da Síria cruzou a fronteira de Mursitpinar, na Turquia, para chegar na cidade. A liderança política do grupo rebelde sírio tem como base a cidade turca, onde os soldados muitas vezes buscam refúgio. Um jornalista curdo que trabalha em Kobani e o Observatório Sírio para os Direitos Humanos também confirmaram que a tropa de rebeldes sírios chegou na cidade hoje.

A tropa de 150 soldados curdos iraquianos chegou na Turquia na manhã desta quarta-feira e deve cruzar a fronteira para Síria no final do dia. O grupo peshmerga foi enviado para auxiliar na batalha contra os extremistas do Estado Islâmico após o governo turco permitir que os soldados cruzassem a fronteira da Síria pela Turquia.

O primeiro-ministro da Turquia, Ahmet Davutoglu, disse à BBC que o envio de soldados curdos iraquianos e combatentes do Exército Livre da Síria foi "a única maneira de ajudar a cidade de Kobani, já que outros países não querem usar tropas terrestres".

O Estado islâmico lançou uma ofensiva contra a cidade de Kobani e vilarejos vizinhos no meio de setembro, deixando mais de 800 pessoas mortas, segundo informações de ativistas. Os extremistas sunitas dominaram dezenas de vilarejos ao redor de Kobani e controlam partes da cidade. Mais de 200 mil pessoas já cruzaram a fronteira para a Turquia em busca de refúgio. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.