AP
AP

Rebeldes sírios expulsam tropas do governo de maior parte de Raqqa

Esta pode ser a 1ª vez que opostitores de Assad tomam o controle total de uma cidade do país

AE, Agência Estado

04 Março 2013 | 13h10

(Texto atualizado às 17h) BEIRUTE, LÍBANO - Rebeldes sírios expulsaram, nesta segunda-feira, 4, tropas do governo da maior parte da cidade de Raqqa, ao norte do país. Segundo ativistas, grupos de manifestantes rasgaram um pôster do presidente Bashar Assad e derrubaram uma estátua de bronze de seu pai e antecessor.

Caso os rebeldes tomem o controle de Raqqa, será a primeira vez que uma cidade cai totalmente nas mãos dos combatentes contrários a Assad. Os rebeldes controlam partes das principais cidades sírias como Alepo, no norte, alguns subúrbios de Damasco, da cidade central de Homs e de Deir el-Zor, no leste. Eles também controlam grandes áreas do interior, principalmente no norte do país.

O Observatório Sírio pelos Direitos Humanos disse que os rebeldes estão agora no controle de "grandes partes" de Raqqa, a cidade à margem do rio Eufrates, que vai da Síria para o Iraque. Um importante oficial de polícia foi morto e membros da inteligência foram detidos, informou o grupo, sediado em Londres.

Ativistas declararam em redes sociais, nesta segunda-feira, que Raqqa foi "libertada" pela oposição. Uma fotografia postada em várias páginas pró rebeldes no Facebook mostram pessoas rasgando um enorme pôster de Assad e jogando sapatos contra a imagem. Os ativistas disseram que a fotografia foi retirada de dentro da sede da sede da temida Inteligência da Força Aérea, que fica em Raqqa.

Um vídeo amador mostra dezenas de pessoas, numa grande praça, pulando sobre a estátua de Hafez Assad, depois de ela ter sido derrubada.

Também nesta segunda-feira, os rebeldes lançaram uma ofensiva para tentar tomar a base aérea de Mannagh, perto da fronteira com a Turquia e entraram em confronto com forças do governo numa mesquita histórica na maior cidade do país, Alepo.

Soldados sírios são mortos no Iraque

Autoridades iraquianas disseram que pelo menos 40 soldados sírios e vários iraquianos foram mortos numa emboscada no oeste do Iraque. As autoridades disseram que os sírios haviam buscado refúgio no norte do Iraque durante recentes confrontos com rebeldes e eram escoltados de volta à Síria por meio de uma outra passagem de fronteira, mais o sul.

Eles disseram que a emboscada aconteceu nesta segunda-feira, perto de Akashat, não muito longe da fronteira com a Síria, mas não está claro quem eram os atacantes.

As informações são da Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.