Narciso Contreras/Arquivo/AP
Narciso Contreras/Arquivo/AP

Rebeldes sírios tomam controle de base militar no Norte

Essa base fica em Alepo e é a segunda capturada pelos opositores do presidente Bashar Assad

AE, Agência Estado

11 de dezembro de 2012 | 11h13

BEIRUTE, LÍBANO - Os rebeldes sírios tomaram o controle total da base militar xeque Suleiman nesta terça-feira, 11, após dois dias de confrontos que deixaram pelo menos 35 soldados do governo mortos, informou o grupo ativista Observatório Sírio pelos Direitos Humanos.

Trata-se da segunda grande base capturada no norte do país pelos rebeldes, que têm acumulado vitórias na área nas últimas semanas e realizado incursões para o sul, na direção de Damasco, onde fica a sede do governo de Bashar Assad. O Observatório disse que a batalha pela base, que fica nas proximidades da cidade de Alepo, foi encerrada quando os rebeldes tomaram o principal complexo e os armazéns que abrigavam o centro de pesquisas militar.

Também em Alepo, a maior cidade e centro comercial do país, quatro salvas de morteiros atingiram o bairro de xeque Maksoud - habitado predominantemente por curdos - matando 11 pessoas e ferindo dezenas nesta terça-feira. Dentre os mortos há três crianças e duas mulheres, informou o Observatório.

O grupo afirmou que combatentes de grupos jihadistas, dentre eles o Jabhat al-Nusra, o Conselho Mujahedeen Shura e Os Muhajireen participaram na batalha pela tomada da base militar. O Jabhat al-Nusra, que conta com sírios e estrangeiros em suas fileiras, é uma das unidades de combate mais eficientes do lado rebelde. Mas o Ocidente teme que tais grupos jihadistas "sequestrem" a revolta para derrubar o presidente Bashar Assad.

Na segunda-feira, a secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton colocou o Jabhat al-Nusra na lista de organizações estrangeiras terroristas. A medida congela os ativos dos seus integrantes que possam estar em jurisdições norte-americanas e proíbe cidadão dos Estados Unidos de fornecer apoio material ao grupo.

As informações são da AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.