Rebeldes sudaneses participarão de negociação sobre Darfur

Rebeldes sudaneses da região de Darfur participarão de negociações de paz na Nigéria, exigindo que as milícias acusadas de atrocidades sejam desmobilizadas e os responsáveis pelos crimes contra civis, julgados, disse um porta-voz à Associated Press. Adam Ali Shogar, um porta-voz do Exército de Libertação do Sudão (ELS), disse em conversa por telefone que essas e outras exigências que serão apresentadas em Abuja, Nigéria, são as mesmas manifestadas pelos rebeldes em rodadas anteriores, mas que foram deixadas de lado por causa de um frágil cessar-fogo acertado em abril no Chade. O ELS e o Movimento por Igualdade e Justiça, que também aceitou participar das negociações em Abuja, iniciaram uma rebelião em fevereiro de 2003 depois de anos de choques entre fazendeiros negros e pastores árabes, causados pelos escassos recursos naturais da região. O governo sudanês nega as acusações de que apóia os árabes em Darfur, atribui a violência aos rebeldes e alega que as estimativas de vítimas dos choques são exageradas. Ao longo dos últimos 18 meses, o conflito em Darfur já deixou pelo menos 30.000 mortos, além de cerca de 1 milhão de refugiados, segundo agentes humanitários.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.