Rebeldes tâmeis declaram cessar-fogo unilateral

Enfrentando a possibilidade de uma iminente derrota, os rebeldes do Exército de Libertação dos Tigres do Tamil Eelam (LTTE) declararam um cessar-fogo unilateral hoje e pediram que o governo interrompa sua ofensiva para libertar as dezenas de milhares de civis, que não podem deixar o local por causa dos confrontos.

AE-AP, Agencia Estado

26 de abril de 2009 | 20h48

O governo rejeitou o pedido e acusou os rebeldes de tentar conseguir tempo, na medida em que o Exército se organiza para derrotá-los e encerrar a guerra separatista que atinge a ilha do Oceano Índico há quase um quarto de século. "Isto é uma piada", disse o secretário de Defesa Gotabhaya Rajapaksa sobre a oferta de trégua dos rebeldes.

A declaração de cessar-fogo ocorre em meio a vários pedidos internacionais para o encerramento dos confrontos com o objetivo de permitir que cerca de 50 mil tâmeis étnicos, que permanecem na zona de guerra, escapem. O governo e grupo de ajuda humanitária acusam os rebeldes de manter os civis como reféns para atrapalhar a ofensiva do governo, acusação negada pelos rebeldes.

O ministro de Relações Exteriores da Grã-Bretanha, David Miliband, vai viajar para o Sri Lanka com seus colegas francês e sueco para tentar mediar o conflito no nordeste do país asiático, informou hoje o governo britânico. Um comunicado do gabinete do primeiro-ministro Gordon Brown diz que a viagem ao país será realizada na quarta-feira. Também participarão da visita o ministro de Relações Exteriores francês Bernard Kouchner e seu colega sueco Carl Bildt.

Tudo o que sabemos sobre:
Sri LankaRebeldesCessar-fogo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.