Reuters
Reuters

Rebeldes tentam tomar prédio de TV estatal na Síria

Rebeldes plantaram explosivos e tentaram invadir o edifício, mas saíram após bombardeio do governo

AE, Agência Estado

04 de agosto de 2012 | 09h38

ALEPPO - Os combates se intensificaram na Síria neste sábado, 4, com os rebeldes tentando tomar o prédio da rede de TV estatal em Aleppo e as forças do governo bombardeando um subúrbio de Damasco.

Veja também:

link Rússia condena resolução 'prejudicial' da ONU sobre Síria

link Assembleia-Geral da ONU aprova resolução contra a Síria

video Resolução na ONU busca mostrar isolamento de Assad na comunidade internacional

Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, os rebeldes plantaram explosivos e tentaram invadir o prédio da TV estatal, mas bateram em retirada após bombardeios de caças e helicópteros do governo. A mídia estatal disse que o exército defendeu o local de "grupos terroristas mercenários".

Enquanto isso, o subúrbio de Tadamun, em Damasco, sofreu um dos mais intensos bombardeios desde que as tropas do governo lançaram uma ofensiva contra os rebeldes na capital, em julho, segundo o Observatório.

Os conflitos deixaram 13 mortos no país neste sábado. Na sexta-feira, morreram 46 civis, 19 rebeldes e 19 soldados. Rami Abdel Rahman, do Observatório, disse que julho foi o mês mais violento desde o início dos protestos contra o regime do presidente Bashar Assad, em março de 2011. Segundo Rahman, 4.239 pessoas, principalmente civis, foram mortas no mês passado, elevando o total dos quase 17 meses de confrontos para 21 mil.

Na sexta-feira, após a renúncia de Kofi Annan à chefia da missão especial da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Liga Árabe para mediar o conflito, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, alertou que as potências mundiais devem deixar de lado suas rivalidades e colocar um fim à "guerra por procuração" em que se transformou a crise na Síria.

Além disso, a Assembleia Geral da ONU condenou o Conselho de Segurança por sua falta de ação. "Agora que a situação piorou, eles (o Conselho) devem novamente chegar a um entendimento", disse Ban Ki-moon.

A embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Susan Rice, disse que, "apesar da contínua oposição de uma minoria cada vez mais isolada, a grande maioria dos membros da ONU claramente está do lado do povo sírio". Ela se referia à Rússia e à China, que já tinham vetado três resoluções do Conselho de Segurança sobre a Síria.

O vice-embaixador da China na ONU, Wang Min, disse que pressionar apenas Damasco causaria uma escalada do conflito e deixaria a crise se espalhar para outros países da região.

As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
Primavera ÁrabeSíriaviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.