Rebelião em presídio na Venezuela termina com 37 mortos

Mortes foram anunciadas pelo governador do Estado de Amazonas

O Estado de S.Paulo

16 Agosto 2017 | 20h05

CARACAS - Pelo menos 37 pessoas morreram em uma operação policial para recuperar o controle de um presídio no Estado do Amazonas, informou o governador Liborio Guarulla, de oposição. O presídio fica na cidade de Puerto Ayacucho, sul da Venezuela.

O Ministério Público confirmou que, nos incidentes, 14 funcionários ficaram feridos, embora não tenha precisado se entre os mortos há agentes. 

Segundo as ONGs defensoras do direitos dos réus "Una Ventana a la Libertad" e Observatório Venezuelano de Prisões, os 37 mortos são internos. "É a pior rebelião que tivemos em um centro de detenção preventiva. Lá, os detidos não deveriam passar mais de 48 horas, mas havia presos que estão há anos", disse à AFP Carlos Nieto, coordenador de "Una Ventana a la Libertad".

A Procuradoria Geral anunciou que nomeou dois procuradores para "investigar a morte de 37 pessoas [...] durante [a] tomada do Centro de Detenção Judicial de Amazonas".

A Venezuela conta com mais de 3o presídios, com uma população de mais de 50 mil detentos. O sistema carcerário enfrenta sérios problemas de superlotação e violência provocada por grupos que controlam internamente as prisões e traficam armas e drogas. / AP e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.