Recibo mostra que médico de Jackson comprou propofol

Um poderoso anestésico encontrado ao lado da cama do pop star Michael Jackson foi comprado em Nevada e enviado à Califórnia pouco antes da morte do cantor, de acordo com documentos judiciais divulgados ontem. Eles mostram que o médico de Jackson, Conrad Murray, comprou o sedativo propofol da Applied Pharmacy Services em 12 de maio, de acordo com recibos encontrados no consultório do profissional em Las Vegas. Jackson faleceu em 25 de junho.

AE-AP, Agencia Estado

21 de novembro de 2009 | 14h35

O cardiologista disse à polícia ter administrado propofol junto com outros sedativos para ajudar Jackson a dormir. Essa substância é geralmente usada por anestesiologistas em procedimentos cirúrgicos. Autoridades disseram que o produto não é usado para indução do sono. A droga, contudo, não é controlada por autoridades estaduais e federais.

Legistas de Los Angeles atribuíram a morte de Jackson ao propofol na ação em que a morte do cantor é considerada homicídio. Os legistas também citaram o sedativo lorazepam como corresponsável pelo óbito.

Murray, 56, foi arrolado na investigação de homicídio, mas não foi acusado de qualquer crime. Os documentos mostram que ele obteve o propofol quase ao mesmo tempo em que foi contratado para acompanhar Jackson em sua turnê mundial. Ele disse à polícia ter administrado 50 miligramas da droga por via intravenosa para ajudar o cantor a dormir horas antes da morte do cantor. O advogado do médico, Edward Chernoff, emitiu nota dizendo que não há surpresas nos documentos divulgados ontem, porque as informações conferem com o que Murray disse aos investigadores.

Já as autoridades disseram que a quantidade de propofol comprada pelo médico não pareceu imprópria. Um especialista no assunto, Jayne Tomko Griffin, disse que cinco frascos da droga fornecem cem doses de 50 miligramas cada.

Tudo o que sabemos sobre:
Michael Jacksonmédicomortedrogas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.