Recibo mostra que médico de Jackson comprou propofol

Um poderoso anestésico encontrado ao lado da cama do pop star Michael Jackson foi comprado em Nevada e enviado à Califórnia pouco antes da morte do cantor, de acordo com documentos judiciais divulgados ontem. Eles mostram que o médico de Jackson, Conrad Murray, comprou o sedativo propofol da Applied Pharmacy Services em 12 de maio, de acordo com recibos encontrados no consultório do profissional em Las Vegas. Jackson faleceu em 25 de junho.

AE-AP, Agencia Estado

21 Novembro 2009 | 14h35

O cardiologista disse à polícia ter administrado propofol junto com outros sedativos para ajudar Jackson a dormir. Essa substância é geralmente usada por anestesiologistas em procedimentos cirúrgicos. Autoridades disseram que o produto não é usado para indução do sono. A droga, contudo, não é controlada por autoridades estaduais e federais.

Legistas de Los Angeles atribuíram a morte de Jackson ao propofol na ação em que a morte do cantor é considerada homicídio. Os legistas também citaram o sedativo lorazepam como corresponsável pelo óbito.

Murray, 56, foi arrolado na investigação de homicídio, mas não foi acusado de qualquer crime. Os documentos mostram que ele obteve o propofol quase ao mesmo tempo em que foi contratado para acompanhar Jackson em sua turnê mundial. Ele disse à polícia ter administrado 50 miligramas da droga por via intravenosa para ajudar o cantor a dormir horas antes da morte do cantor. O advogado do médico, Edward Chernoff, emitiu nota dizendo que não há surpresas nos documentos divulgados ontem, porque as informações conferem com o que Murray disse aos investigadores.

Já as autoridades disseram que a quantidade de propofol comprada pelo médico não pareceu imprópria. Um especialista no assunto, Jayne Tomko Griffin, disse que cinco frascos da droga fornecem cem doses de 50 miligramas cada.

Mais conteúdo sobre:
Michael Jackson médico morte drogas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.