Al Drago/The New York Times
Al Drago/The New York Times

Recibos de repasse a supostas amantes complicam Donald Trump

FBI encontrou comprovantes de depósitos para Stormy Daniels e Karen McDougal em escritório de advogado pessoal do presidente

O Estado de S.Paulo

10 Abril 2018 | 20h24

WASHINGTON - Os agentes do FBI que investigam Michael Cohen, advogado pessoal do presidente Donald Trump, encontraram comprovantes de pagamento a atriz pornô Stormy Daniels e a ex-modelo Karen McDougal. As duas alegam que tiveram relacionamentos com Trump e receberam dinheiro para não revelar o caso durante a campanha presidencial de 2016.

+ Trump é 'sujeito' de uma investigação. O que isso significa?

O interesse em Daniels e McDougal indica que os investigadores federais estão tentando determinar se havia um padrão mais amplo ou uma estratégia na equipe de Trump para comprar o silêncio das mulheres, para que suas revelações não prejudicassem suas chances eleitorais. 

A ex-modelo da Playboy Karen McDougal afirma ter tido um caso de quase um ano com Trump pouco depois do nascimento de seu filho caçula, Barron, em 2006. McDougal recebeu US$ 150 mil da American Media Inc., empresa dona da revista National Enquirer. David Pecker, diretor da AMI, é amigo pessoal de Trump. Nenhuma história sobre McDougal apareceu na publicação.

+ Trump ofereceu perdão a assessores para evitar depoimentos contra ele

Stephanie Clifford, mais conhecida como Stormy Daniels, também diz ter tido um caso com Trump logo depois do nascimento de Barron. Ela recebeu US$ 130 mil de Cohen como parte de um acordo de confidencialidade dias antes da eleição presidencial de 2016.

O FBI também investiga se Cohen usou dinheiro de campanha não declarado para pagar as duas mulheres. Cohen está sob investigação federal por fraudes bancárias, fraudes eletrônicas e violações de financiamento de campanha.

A importância do caso ficou clara em razão do envolvimento do subprocurador-geral dos EUA, Rod Rosenstein. O veterano promotor, escolhido por Trump para o cargo, assinou o mandado de busca e apreensão no escritório de Cohen. Rosenstein é o superior direto do procurador especial Robert Mueller, responsável pela investigação sobre a interferência russa nas eleições americanas em 2016.

+ Donald Trump conhecia acordo para calar atriz, diz advogado

O papel de Rosenstein enfureceu Trump. Fontes relataram ao Washington Post que o presidente ficou “atordoado” e “lívido” quando soube da ação. Trump classificou a operação como “uma verdadeira caça às bruxas” e um “ataque ao país”. Nestaterça-feira, 10, ele voltou a criticar a ação. “O sigilo entre cliente e advogado está morto”, afirmou o presidente em sua conta no Twitter.

+ Investigação sobre Rússia chega ao gabinete de Donald Trump

Trump também teria voltado a cogitar de demitir Mueller e Rosenstein. O presidente teria levantado a hipótese durante uma reunião com assessores. Na terça-feira, 10, em entrevista coletiva, a secretária de imprensa da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, afirmou que “o presidente Donald Trump certamente acredita ter o poder para demitir o procurador especial Robert Mueller”, mas que essa decisão não deve ser “tomada agora”. / NYT e WPOST


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.