Recluso e sem previsão para deixar embaixada, Assange atrai manifestantes

Concessão de asilo político e a negativa de salvo-conduto deixaram fundador do WikiLeaks em limbo jurídico

24 de agosto de 2012 | 21h04

LONDRES - A concessão de asilo político do Equador a Julian Assange e a negativa da Grã-Bretanha de oferecer um salvo-conduto para que ele deixe o país colocaram o fundador do WikiLeaks em um limbo jurídico. Sem data para sair da embaixada, o jornalista australiano vive recluso, mas foi capaz de reunir multidões na porta da sede diplomática, de manifestantes a policiais, prontos para prendê-lo, caso ele deixe o local.

Veja galeria de fotos:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.