Washington Post photo by Loveday Morris
Washington Post photo by Loveday Morris

Recompensa do Facebook ao discurso de ódio fermentou 'guerra civil social' na Polônia 

Maioria dos partidos políticos no país europeu tem reclamações sobre os algoritmos do Facebook, que decidem quais postagens aparecem no feed de notícias de um usuário e quais desaparecem; o partido Confederação, de extrema direita, não

The Washington Post, O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2021 | 05h00

VARSÓVIA - A maioria dos partidos políticos na Polônia tem reclamações sobre os algoritmos do Facebook, as fórmulas obscuras que decidem quais postagens aparecem no feed de notícias de um usuário e quais desaparecem. O partido Confederação, de extrema direita, não.

"É um algoritmo de ódio", disse Tomasz Grabarczyk, que chefia a equipe de mídia social do partido. Mas o conteúdo da Confederação geralmente se sai bem, incluindo uma série de postagens antilockdown, anti-imigração e de ceticismo às vacinas, muitas vezes pontuadas com grandes pontos de exclamação vermelhos. “Acho que somos bons com mensagens emocionais”, disse ele.

Dentro do Facebook, é sabido há anos que a empresa pode estar ampliando a indignação contra si mesmo - enquanto impulsiona a polarização e eleva as partes mais radicais ao redor do mundo -, de acordo com os documentos internos conhecidos como Facebook Papers, divulgados pela denunciante Frances Haugen para a Comissão de Valores Mobiliários (SEC) dos EUA. As versões editadas foram revisadas por um consórcio de organizações de imprensa, incluindo o Washington Post.

Em um documento de abril de 2019 detalhando uma viagem de pesquisa à União Europeia, uma equipe do Facebook relatou que, segundo feedback de políticos europeus, o algoritmo que havia sido mudado no ano anterior - anunciado pelo presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, como um esforço para promover interações mais "significativas" na plataforma - tinha mudado a política “para pior”.

A equipe do Facebook relatou preocupações específicas da Polônia, onde os partidos políticos descreveram uma “guerra civil social” online. Essas preocupações levaram a análises de reguladores e legisladores em todo o continente, incluindo propostas do Parlamento Europeu para forçar mais transparência dos gigantes da tecnologia do Vale do Silício.

O país do Leste Europeu, liderado pelo partido populista Lei e Justiça desde 2015, está amargamente dividido entre partidários fervorosos do governo e críticos igualmente comprometidos. Linhas de batalha são traçadas em questões como aborto, direitos LGBT e uma luta com a UE sobre a primazia das leis que vinculam o bloco de 27 nações.

Em Varsóvia, os dois principais partidos - o Lei e Justiça e o opositor Plataforma Cívica - acusaram a rede social de aprofundar a polarização política do país, descrevendo a situação como "insustentável", segundo o relatório da equipe do Facebook.

“Em vários países europeus, os principais partidos tradicionais reclamaram do incentivo estrutural para se engajar em políticas de ataque”, afirma o relatório. “Eles veem uma ligação clara entre isso e a influência descomunal de partidos radicais na plataforma.”

"Podemos escolher ficar omissos e continuar alimentando os usuários de fast-food, mas isso só funciona por um certo tempo", pondera o relatório interno. "Muitos já perceberam que o fast-food está ligado à obesidade e, portanto, seu valor no curto prazo não compensa o custo no longo prazo."

Por mais de uma década, o conteúdo foi classificado usando uma fórmula complexa que avalia pelo menos 10 mil pontos de dados toda vez que decide o que mostrar. Em 2018, o Facebook fez uma grande mudança nessa fórmula para promover “interações sociais significativas”. 

Essas mudanças foram anunciadas como um design para tornar o feed de notícias mais focado em postagens de parentes e amigos e menos de marcas, empresas e mídia. O processo pesou a probabilidade de que uma postagem produziria uma interação, como um gosto, emoji ou comentário, mais fortemente do que outros fatores.

Mas a estratégia pareceu sair pela culatra. Haugen, que esta semana levou sua campanha contra seu ex-empregador para a Europa, expressou a preocupação de que o algoritmo do Facebook amplifique o extremo. “Raiva e ódio são a maneira mais fácil de crescer no Facebook”, disse ela aos legisladores britânicos, na segunda-feira. Ela aparecerá em Bruxelas no início do próximo mês.

“O Facebook quer sangue”, disse Anna Sikora, que lida com mídia social para o partido de esquerda Razem, e que não encontrou a equipe do Facebook durante a viagem. “Se citarmos uma declaração estúpida de nosso oponente político, nossa postagem alcançará muitas pessoas.”

A equipe de mídia social de Razem tentou compartilhar mais postagens em grupos ou usar vídeos curtos para obter um alcance mais amplo. Mas isso teve um impacto limitado. “Se não houver sangue, é provável que seja visto apenas por nossa bolha social”, disse ela. “Mesmo a maioria dos nossos eleitores nunca verá isso.”

Na Europa, os detalhes do relatório interno do Facebook - partes do qual foram relatadas pela primeira vez pelo Wall Street Journal - abriram o debate sobre até que ponto o Facebook se espalhou e moldou uma tendência em alguns países em direção a políticas mais tóxicas e profundamente polarizadas.

A penetração das mídias sociais na política europeia ocorreu ao lado de eventos marcantes que abriram novas divisões. O mais notável foi a crise migratória de 2015 - uma enorme onda de refugiados vindos da Síria devastada pela guerra e de outros lugares - que ajudou a impulsionar os partidos de extrema direita e sua retórica nativista em todo o continente.

"Quando se trata de polarização, a pesquisa acadêmica não apoia a ideia de que o Facebook, ou a mídia social em geral, seja a principal causa da divisão", disse a porta-voz do Facebook, Dani Lever. "Se fosse verdade que o Facebook é a principal causa da polarização, esperaríamos vê-la crescendo onde quer que o Facebook seja popular. E não estamos."

"É uma mudança de classificação na origem das divisões do mundo? Não", disse ela. "Continuamos a fazer mudanças consistentes com este objetivo, como novos testes para reduzir o conteúdo político no Facebook com base em pesquisas e feedback."

O Facebook disse que seus sistemas não são projetados para divulgar material provocativo. "O argumento de que promovemos deliberadamente conteúdo que irrita as pessoas pelo lucro é profundamente ilógico", disse Zuckerburg, no início deste mês. "Ganhamos dinheiro com anúncios, e os anunciantes sempre nos dizem que não querem que seus anúncios sejam exibidos ao lado de conteúdo prejudicial ou agressivo."

Várias correções foram lançadas no Facebook como parte do relatório sobre o impacto de seus algoritmos na política europeia - ao lado de reclamações semelhantes de organizações de mídia - incluindo repensar as "estruturas de incentivo atuais".

Vários funcionários sugerem ajustar o peso dado ao emoji raivoso dentro dos algoritmos para tornar menos provável que mensagens negativas ocorram. Emoji irritado, como outras reações emocionais, inicialmente tinha cinco vezes o peso de um semelhante, mostram os documentos. Foi gradualmente rebaixado e, em 1º de outubro de 2020, o peso de uma reação raivosa foi reduzido a zero.

'Passe adiante!'

Até agora, o partido Confederação não notou muito impacto. “Esse algoritmo não é a pior coisa”, disse Grabarczyk, um jovem de 27 anos com cabelo bem penteado com gel, um terno, camisa branca impecável e abotoaduras douradas que destoam do escritório em ruínas do partido no centro de Varsóvia.

Com 664 mil seguidores, o partido - Konfederacja em polonês e inicialmente formado como uma coalizão de dois partidos - tem a maior presença na rede entre todos os partidos políticos do país, apesar de somar apenas 11 das 569 cadeiras do Parlamento. 

“Onde está o muro, que como #Confederação exigimos há mais de 2 meses?!” pergunta um dos posts da Confederação com um vídeo de pessoas tentando puxar o arame farpado, em referência à construção de um muro da fronteira contra imigrantes; o vídeo obteve 1,9 mil curtidas e reações e mais de mil comentários. Outro vídeo, com mais de 4,9 mil curtidas e reações, mostra um médico questionando sobre a vacinação de crianças: “Não à propaganda e à intimidação!” ele conclui. "Passe adiante!!' ️

O Facebook diz que sabe que as pessoas tentam manipular seus sistemas. “Trabalhamos para identificar e remover conteúdo que viole nossas regras e proibir totalmente organizações que violam continuamente nossos padrões da comunidade e removemos contas conectadas a diferentes partidos políticos e movimentos sociais, incluindo políticos associados à Konfederacja por violarem nossas políticas no passado", disse Lever. 

Janusz Korwin-Mikke, um dos políticos do partido que era na época o político polonês mais popular no Facebook, foi banido da plataforma no ano passado.

‘Como uma guerra’

Foi a eleição presidencial de 2015 que despertou a política polonesa para os poderes do Facebook, disse Pawel Rybicki, que trabalhou na campanha para o presidente Andrzej Duda. “Usamos a mídia social em grande escala”, disse. Duda, um aliado da Lei e da Justiça, que não era visto com chances de vencer, acabou levando 51,5% dos votos.

“Foi como uma guerra, e a mídia social foi a nova arma para os partidos políticos poloneses”, lembrou Rybicki, que se encontrou com a equipe do Facebook quando ela passou por Varsóvia. 

Um consultor da equipe de mídia social do partido Plataforma Cívica, que falou sob condição de anonimato para discutir a estratégia desse partido, descreveu aqueles dias como o "oeste selvagem", com aparentemente pouca moderação de conteúdo no Facebook. Ele disse que, como outros, notou uma mudança em 2018 com o surgimento de conteúdo mais extremo.

O Facebook diz que teve equipes revisando conteúdo em polonês antes de 2015 e atualmente tem 40 mil pessoas trabalhando em segurança e proteção.

O desafio para os reguladores europeus continua sendo como garantir que o Facebook e outras plataformas de mídia social não ampliem as vozes da extrema direita e dilacerem ainda mais o centro político.

“É difícil legislar”, disse Alexandra Geese, uma legisladora alemã no Parlamento Europeu envolvida em propostas para forçar uma maior abertura por parte do Facebook e outras empresas de mídia social. "A chave para qualquer esforço será a transparência em relação aos algoritmos", disse ela. A eurodeputada chamou de “surpreendente” o fato de o Facebook nunca ter revelado publicamente que havia recebido feedback de políticos europeus sobre o impacto negativo de seus algoritmos.

“Muitas áreas do nosso debate político parecem interrompidas por causa da divisão (política)”, disse Damian Collins, chefe da comissão parlamentar britânico encarregado de redigir a legislação de segurança online. “Se essa divisão está sendo impulsionada por plataformas de mídia social da forma como estão sendo projetadas, isso é algo que acho que temos o direito de saber, porque isso é um ataque direto à nossa democracia.” 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.