Reconciliação dificulta acordo

Em abril, as duas principais facções palestinas - o Hamas, que controla Gaza, e a Fatah, que governa a Cisjordânia - anunciaram um acordo de conciliação, sete anos após cisão. A decisão tornou a negociação de paz ainda mais difícil, já que Israel considera o Hamas uma organização terrorista. No entanto, não é a primeira vez que o diálogo fracassa. Os palestinos se retiraram de conversações em 2000, na cúpula de Camp David, nos EUA, entre o premiê israelense, Ehud Barak, e Yasser Arafat. Em 2008, o presidente palestino, Mahmoud Abbas, suspendeu as negociações com o premiê israelense, Binyamin Netanyahu. Em 2011, Israel abandonou a mesa de negociações durante esforço de Abbas por reconhecimento da Palestina na ONU.

O Estado de S.Paulo

02 Maio 2014 | 02h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.