Reconhecer governo de Lobo está fora de questão, diz Lula

Em Portugal, presidente afirma ainda que imagem do caso Arruda 'não fala por si'.

Jair Rattner, BBC

01 de dezembro de 2009 | 11h03

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse, nesta terça-feira, em Lisboa, que "está fora de questão" reconhecer o governo de Porfírio "Pepe" Lobo, eleito presidente de Honduras no domingo.

"Não, não, não, não. Peremptoriamente não", afirmou o presidente, antes de deixar a capital portuguesa, onde participou da Cúpula Ibero-americana, rumo a Kiev, na Ucrânia.

Na segunda-feira, o assessor especial da Presidência, Marco Aurélio Garcia, chegou a indicar que a relação futura do governo brasileiro com o governo de Honduras poderia depender da postura de Lobo em relação à Organização dos Estados Americanos (OEA) e de dados confirmando o alto comparecimento dos eleitores hondurenhos às urnas.

Mas Lula evitou fazer a mesma afirmação: "Este cidadão (Lobo) tem o direito de fazer as gestões que achar que deve fazer. Se acontecer alguma coisa, vamos discutir a coisa nova. Por enquanto, a posição brasileira é de não aceitação do processo eleitoral em Honduras."

'Cinismo'

O presidente explicou ainda por que, tendo sempre defendido o diálogo, se recusou conversar com o presidente de fato Roberto Micheletti.

"Honduras desrespeitou o princípio mais elementar da volta à normalidade democrática do seu país. O golpista agiu cinicamente, deu um golpe no país e convocou uma eleição quando ele não tinha o direito de convocar eleição. Eles poderiam ter feito as coisas com a maior normalidade, voltava o presidente, convocava eleições. A volta à normalidade a Honduras é tudo o que nós queremos. O resto é o seguinte: não dá para fazer concessão a golpista."

Para Lula, o fato de a Cúpula Ibero-americana não ter adotado uma posição a respeito de Honduras não significa o fracasso da reunião.

"A cimeira não foi convocada para isso. Se a cimeira tivesse sido convocada para discutir Honduras eu não teria vindo. Eu vim à cimeira porque a gente discutiu uma coisa que eu acho importante: inovação e conhecimento, que é um tema importante sobretudo para os países em desenvolvimento".

Porfírio "Pepe" Lobo foi eleito em meio a uma grave crise política em Honduras, gerada quando o então presidente, Manuel Zelaya, foi deposto por militares, em junho.

Arruda

Ainda na entrevista em Lisboa, Lula tentou evitar comentar o escândalo envolvendo o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, acusado de ser o principal articulador de um esquema de corrupção envolvendo integrantes de seu governo, empresas com contratos públicos e deputados distritais.

Lula negou que tenha assistido a vídeos divulgados no fim de semana e que mostram Arruda recebendo dinheiro, mas disse que "a imagem não fala por si".

"O que fala por si é todo um processo de investigação, todo um processo de apuração. Quando estiver toda a apuração terminada, a Polícia Federal vai ter que apresentar um resultado final", afirmou.

"Aí você pode fazer juízo de valores. Mesmo assim, quem vai fazer juízo de valores final é a Justiça."BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.