Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Reconhecimento da vitória de Biden 'é apenas uma formalidade', diz Rubens Barbosa

Para ex-embaixador do Brasil nos EUA e diretor do Irice, 'cortesia diplomática' não tem impacto na relação entre os dois países

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2020 | 22h54

O reconhecimento formal da vitória de Joe Biden concedido pelo governo brasileiro nesta quinta-feira, 15, é apenas uma 'cortesia diplomática', afirmou o ex-embaixador do Brasil nos EUA e diretor do Irice, Rubens Barbosa, em entrevista ao Estadão. "Não é uma obrigação política", disse, destacando que a decisão não tem impacto na relação econômica entre os dois países.

Confira:

Existe algum impacto econômico para o Brasil na demora em reconhecer a vitória de Biden nos EUA? 

Não. Esse reconhecimento é apenas uma formalidade, uma cortesia diplomática que não impacta na relação econômica entre os dois países.

E quanto ao impacto político?

Também não. Acredito que a vitória de Biden já tenha o impacto de mudar algumas coisas na relação. O presidente Bolsonaro sempre dizia que tinha no governo americano um aliado, um amigo. Isso não teremos mais. Agora, acho que existem questões muito mais importantes que independem dessa formalidade. Existe a questão climática, que deverá ser um grande tema para os Estados Unidos e um desafio na relação bilateral. Tem ainda a questão da relação com a China. A agenda política dos dois governos (americano e brasileiro) é tão diferente que, obviamente, vai haver diferenças (nas relações), mas não tem nada a ver com a comunicação ou não comunicação (do reconhecimento). 

Foi uma surpresa a demora do governo brasileiro?

Isso é uma decisão do presidente brasileiro, uma cortesia diplomática, de educação. Não é uma obrigação política ou econômica. Se ele (presidente) não quiser fazer, será um problema dele. As embaixadas cumprem instruções. Nada é feito aqui ou lá, depende das instruções do Ministério das Relações Exteriores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.