Reconhecimento não muda estado de refugiados palestinos, diz ministra

Cerca de 400 mil refugiados palestinos vivem no Líbano; número total na região supera os 4,8 milhões

EFE

09 Setembro 2011 | 09h51

BEIRUTE - O possível reconhecimento do Estado palestino pela ONU não mudará o estado dos refugiados nem resolverá seus problemas, afirmou a ministra de Assuntos Sociais da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Majida Al-Masri.

 

Veja também:

especialESPECIAL: As disputas territoriais no Oriente Médio

 

Em entrevista publicada nesta sexta-feira pelo jornal "L'Orient-Le Jour", a ministra se mostrou pessimista sobre a melhoria das condições dos palestinos refugiados, enquanto espera que a Assembleia Geral da ONU vote no final do mês uma resolução a favor do Estado palestino.

 

 

"O problema dos refugiados não será resolvido com o reconhecimento do Estado palestino, mas já é um passo para o caminho que conduz ao estabelecimento de um Estado livre e soberano, de acordo com as fronteiras de 4 de junho de 1967", afirmou.

 

Majida participou em Beirute de um seminário organizado pela Comissão Econômica e Social para o Oeste Asiático (ESCWA, na sigla em inglês), da qual é conselheira regional.

 

A ministra acrescentou que o problema dos refugiados permanece, apesar de poderem se beneficiar do direito de retorno estipulado na resolução 194 do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

 

Segundo a ONU, cerca de 400 mil refugiados palestinos vivem no Líbano, metade deles em condições muito precárias, em 12 acampamentos.

No total, o número de refugiados nos territórios ocupados no Líbano, Síria e Jordânia supera 4,8 milhões, o que representa 43,4% da população palestina que vive no mundo todo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.