Reconstrução na Austrália é equivalente a 'pós-guerra'

Águas começam a baixar em Brisbane, mas deve levar dias para que população retorne

Agência Estado

13 de janeiro de 2011 | 10h49

Casal observa inuncação em Brisbane, sem poder atravessar.

 

BRISBANE - As águas das enchentes que devastaram Brisbane, a terceira maior cidade da Austrália, começaram a recuar nesta quinta-feira, 13, mas as autoridades disseram que deve levar dias até que as pessoas possam retornar para as milhares de casas e empresas inundadas.

 

Veja também:

mais imagens Imagens das inundações na Austrália

 

Um homem morreu ao ser sugado por bueiro, informou a primeira-ministra de Queensland, Anna Bligh. Além desta vítima, foram encontrados mais dois corpos, elevando o número de mortos para 25, desde novembro. Pelo menos 61 pessoas estão desaparecidas.

 

O comissário adjunto de polícia, Ian Stewart, disse que o número de mortos deve aumentar na medida em que as equipes de resgate chegam a áreas mais devastadas. "Temos de nos preparar para mais notícias ruins".

 

"Queensland está acordando nesta manhã do pior desastre natural de nossa história e possivelmente da história de nosso país", declarou a primeira-ministra Bligh, visivelmente emocionada. "Três quartos de nosso Estado foram devastados pelas águas e agora enfrentamos uma tarefa de reconstrução equivalente a um pós-guerra".

 

As autoridades avaliam que os moradores de Brisbane terão de esperar alguns dias até poderem voltar para as cerca de 30 mil casas e empresas afetadas pelas inundações, embora não haja qualquer proibição para que eles avaliem os danos. Algumas pessoas foram informadas que suas casas não têm condições de ser habitadas.

 

Estradas e linhas de trem foram destruídas e a tragédia deve se tornar a mais cara da Austrália, já que as estimativas eram de um prejuízo US$ 5 bilhões, antes mesmo de Brisbane ter sido afetada. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.