Rede Al-Jazira encontra o seu ''momento CNN''

Cadeia de televisão com sede no Catar, associada durante anos aos pronunciamentos de Osama bin Laden, destaca-se na cobertura de revoltas árabes

William Douglas, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2011 | 00h00

Pouco tempo atrás, a emissora de TV pan-arábica Al-Jazira, com sede no Catar, era desprezada em Washington. Considerada o órgão oficial de Osama bin Laden por levar ao ar seus pronunciamentos antiamericanos, a rede passou a ser acompanhada na Casa Branca, em busca de uma cobertura confiável dos fatos durante a crise no mundo árabe.

A transmissão dos confrontos feita pela Al-Jazira valeu-lhe o ódio do presidente líbio, Muamar Kadafi, e derrubou o presidente egípcio Hosni Mubarak. Outros governantes sitiados na região também sentiram o calor dos holofotes. A cobertura atrai cada vez mais elogios nos EUA.

"A audiência da Al-Jazira está aumentando nos EUA porque a emissora traz notícias de verdade", disse a secretária de Estado Hillary Clinton à Comissão de Relações Exteriores do Congresso no início do mês. "Talvez o espectador não concorde com aquilo que é exibido, mas se tem a sensação de estar recebendo notícias continuamente em lugar de milhões de comerciais e programas de debates, características de nossos canais de notícias, que não informam muito o público americano, e menos ainda a audiência estrangeira."

Muitos analistas da mídia e especialistas em política acreditam que a Al-Jazira esteja vivendo seu "momento CNN", conforme a cobertura dos levantes impulsiona a emissora a uma posição de destaque nos EUA assim como ocorreu com a cobertura contínua da CNN durante a Guerra do Golfo, em 1991. A emissora de Atlanta afastou de vez sua imagem de noticiário amador e foi reconhecida como força respeitada no jornalismo.

"As revoluções na Tunísia e no Egito poderiam ser chamadas de revoluções da Al-Jazira", disse Dave Marash, jornalista veterano que trabalhou na edição em iglês da emissora árabe.

A rede tenta agora ganhar espaço na TV a cabo dos EUA. A emissora se envolveu em negociações com Cablevision, Dish Network, Time Warner Cable e, mais recentemente, Comcast, na tentativa de ser incluída em seus pacotes de canais a cabo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.