Le Bijou Hotel & Resort AG / AFP
Le Bijou Hotel & Resort AG / AFP

Rede suíça oferece confinamento cinco estrelas em tempos de coronavírus

Entregador particular, um médico à disposição e teste de diagnóstico de covid-19 em domicílio são alguns dos serviços oferecidos pela rede de apartamentos de luxo Le Bijou

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de abril de 2020 | 14h09

GENEBRA - Entregador particular, um médico à disposição e teste de diagnóstico de covid-19 em domicílio são alguns dos serviços oferecidos pela rede de apartamentos de luxo Le Bijou, na Suíça, para um confinamento cinco estrelas. 

Operando 42 apartamentos hoteleiros de primeira categoria, a rede começou a registrar uma queda das reservas no fim de fevereiro, quando o país registrou seus primeiros casos de infecção pelo novo coronavírus, e a pandemia explodiu na Itália.

Ao mesmo tempo, havia clientes que faziam reservas incomumente longas, de duas semanas ou mais, e muitos pediam a visita de um médico.

"Nós nos demos conta de que tínhamos de oferecer um novo serviço e nos adaptarmos o quanto antes. Foi assim que propusemos os apartamentos de contenção", explicou à France-Presse o cofundador e presidente da rede, Alexander Hübner.

Segundo ele, as tarifas estão com valor reduzido em relação ao preço cheio, que pode chegar a até 2 mil francos suíços (US$ 2.050) por noite.

"Os apartamentos maiores, ou de superfície média, giram em torno de 500 francos por dia (US$ 510)", afirma.

Por 800 francos extras na diária (US$ 820), os residentes podem receber a visita de um médico, ou de uma enfermeira duas vezes ao dia. E, por mais 4.800 francos na diária (US$ 4,9 mil), podem garantir monitoramento médico 24 horas.

 

Por último, realizar um teste de diagnóstico da covid-19 eleva a diária em 500 francos (US$ 510).

Hübner garante que não basta assinar o cheque para fazer o teste. "É falso dizer que basta pagar para fazer um teste. Precisa ter sintomas graves", frisou.

A taxa de ocupação está em torno de 70%.

A identidade dos clientes é confidencial, mas, de acordo com a página institucional, o cofundador da Apple Steve Wozniak e o autor do Lobo de Wall Street, Jordan Belfort, pernoitaram por lá./AFP 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.