Redrado entra na Justiça para continuar no BC argentino

Os advogados de Martín Redrado, presidente do Banco Central da Argentina, demitido ontem por decreto presidencial, apresentaram à Justiça uma ação cautelar para que ele permaneça no cargo, cujo mandato vai até setembro.

MARINA GUIMARÃES, Agencia Estado

08 de janeiro de 2010 | 14h55

A medida busca tornar sem efeito o decreto publicado hoje no Diário Oficial, que demite Redrado e nomeia o vice-presidente da instituição, Miguel Angel Pesce, para substituí-lo. Redrado argumenta que não desempenhou mal a sua função nem descumpriu os deveres de funcionário público, como argumenta a presidente Cristina Kirchner.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.