Reféns ingleses no Iraque devem estar mortos, diz Brown

O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Gordon Brown, disse hoje que dois reféns britânicos no Iraque devem estar mortos, mas o governo acredita que um terceiro sequestrado no Iraque ainda esteja vivo. Alec MacLachlan e Alan McMenemy estavam entre cinco britânicos sequestrados por militantes xiitas iraquianos, disfarçados de policiais, na frente do Ministério das Finanças do Iraque em maio de 2007. Brown disse que as famílias de MacLachlan e de McMenemy foram avisadas na semana passada que os dois devem estar mortos. O governo acredita que um terceiro refém, Peter Moore, deve estar vivo, embora seu paradeiro seja desconhecido.

AE-AP, Agencia Estado

29 de julho de 2009 | 16h30

Desde o sequestro dos cinco britânicos, os homens foram vistos apenas em vídeos gravados pelos sequestradores. Hoje, as famílias dos britânicos divulgaram um comunicado no qual se disseram "profundamente preocupadas e perturbadas" com as reportagens da British Broadcasting Corporation (BBC) de que dois deles estariam mortos.

Os militantes xiitas exigem que nove insurgentes detidos sejam libertados para soltar os britânicos. As esperanças que os britânicos sejam soltos pelos sequestradores aumentaram em junho, quando o militante Laith al-Khazali, que estava sob custódia das forças norte-americanas, foi libertado. Os sequestradores exigem que o irmão de Al-Khazali, Qais al-Khazali, seja solto.

Tudo o que sabemos sobre:
InglaterraIraquesequestro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.