Reféns são liberados no Tadjiquistão

Os onze colaboradores de uma Organização Não-Governamental alemã que haviam sido seqüestrados anteontem (sexta-feira), na região de Tavil-Dari, no leste do Tadjiquistão, foram liberados este domingo. Quatro agentes do serviço secreto da república da Ásia Central também foram libertados pelos seqüestradores, membros da antiga oposição islâmica do país. A oposição islâmica integrou-se a um governo de reconciliação nacional após vários anos de guerra civil, mas alguns grupos espalhados pelo país ainda persistem contrários ao governo de Dushambe.Os reféns pertencem à ONG "Deutsche Welthungerhilfe", que opera na antiga república soviética. Dos quinze reféns inicialmente capturados, quatro haviam sido liberadas anteriormente, duas mulheres alemãs e dois funcionários locais. Entre os onze libertados hoje, haviam dois cidadãos alemães, um norte-americano e oito do próprio Tadjiquistão.O objetivo do seqüestro foi tentar obter, mediante uma troca de reféns, a liberação de quatro fundamentalistas presos, condenados como autores do atentado que tirou a vida do vice-ministro do Interior do país, em maio último. Mas a comissão encarregada de negociar a liberação dos reféns pelo governo, encabeçada por um antigo líder oposicionista, Mirzó Ziéyev, conseguiu convencer os rebeldes a liberar os reféns voluntariamente, sem insistir em suas demandas iniciais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.