Blair Gable/Reuters
Blair Gable/Reuters

Reforçando suspeitas americanas, Trudeau afirma que míssil derrubou avião ucraniano no Irã

O primeiro-ministro do Canadá afirma que informação foi fornecida por várias fontes do serviço de inteligência canadense

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de janeiro de 2020 | 16h55

OTTAWA - O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, afirmou em um entrevista coletiva nesta quinta-feira, 9, ter informações de que o voo 752 da Ukraine International Airlines, que caiu pouco depois de decolar no aeroporto de Teerã, foi derrubado por um míssil do Irã. A declaração corrobora as declarações, mais cedo, de autoridades americanas

Trudeau anunciou que várias fontes de Inteligência, incluindo os serviços canadenses, sugerem que o Boeing 737 foi "derrubado por um míssil terra-ar iraniano".  "Temos informação de múltiplas fontes, incluídos nossos aliados e nossos serviços", que "indica que o avião foi derrubado por um míssil terra-ar iraniano. Pode ser que não tenha sido intencional", disse Trudeau em coletiva de imprensa.

O premiê canadense insistiu em que esses últimos acontecimentos "reforçam a necessidade de uma investigação exaustiva sobre esse assunto". "Como disse ontem, os canadenses têm perguntas e merecem respostas", disse. 

O desastre, que resultou na morte de 176 pessoas, incluindo 63 canadenses, ocorreu pouco depois de Teerã disparar mísseis contra bases militares utilizadas pelo Exército americano no Iraque.

O Voo PS752, da Ukrainian International Airlines (UIA), decolou no começo da manhã de quarta-feira de Teerã (hora local, noite de terça no Brasil), com destino a Kiev, mas caiu logo depois.

O presidente americano, Donald Trump, expressou nesta quinta suas "suspeitas" sobre as causas do ocorrido quando, segundo vários veículos, a Inteligência americana está cada vez mais convencida de que o avião foi derrubado pelo Irã por engano. / EFE e AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Irã [Ásia]Justin Trudeaumíssil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.