Reforma da saúde perde defensor

Atendimento universal era a ?causa? da vida de Ted

, O Estadao de S.Paulo

27 de agosto de 2009 | 00h00

A morte do senador Ted Kennedy é um duro golpe para a reforma do sistema de saúde que está tramitando no Congresso e se transformou em pesadelo político para Barack Obama. O presidente disse ontem que o amigo e aliado "não era apenas um dos maiores senadores, mas um dos melhores americanos que já serviram nossa pátria".   Morte de Ted Kennedy deixa vazio na política americana Obama: Morte de Kennedy encerra capítulo da história dos EUA Republicanos e democratas lamentam morte de Kennedy Perfil: Câncer põe fim a trajetória do 'último Kennedy' Conheça os membros da Dinastia Kennedy Fotos: Veja as principais imagens de Ted Kennedy Vídeo: Assista no YouTube o histórico discurso na convenção democrata em 2008 Especial: Cronologia da vida do senador democrata Quatro momentos na vida de Ted Kennedy O próprio Ted dizia que o acesso universal à saúde era a "causa" de sua vida. Ele era o maior defensor de uma reforma no sistema e tinha uma grande habilidade para costurar acordos."Se Ted estivesse no Senado, já teríamos aprovado a reforma da saúde", disse o senador republicano John McCain. "Ele tinha uma capacidade ímpar de juntar as pessoas ao redor da mesa e fazê-las negociar."Os democratas prometem que usarão seu legado para aprovar uma reforma abrangente. "O sonho de Ted de ter assistência à saúde universal vai se tornar realidade este ano", disse a presidente da Câmara, Nancy Pelosi.Mas a simples ausência do político veterano - e o fato de os democratas terem um senador a menos, além de Robert Byrd, que está afastado - deve complicar as coisas. Os democratas têm 60 votos no Senado e, provavelmente, precisarão de todos eles se os 40 senadores republicanos se unirem contra a reforma. Segundo a legislação atual, o posto de Ted ficará vago até uma eleição especial ser realizada, o que leva de 145 a 160 dias. Pouco antes de morrer, o senador pediu a legisladores que mudassem as leis de seu Estado, Massachusetts, para que seu substituto pudesse ser escolhido rapidamente. Ted enviou uma carta ao governador de Massachusetts, Deval Patrick, pedindo que fosse escolhido um substituto durante esse período para que e Estado não ficasse com um representante a menos todo esse tempo.GRATIDÃOObama tinha ainda com Ted uma "dívida" política. Ted foi um dos primeiros políticos da "velha guarda" a apostar no talento de Obama e seu apoio foi essencial para a indicação do senador de Illinois à candidatura pelo Partido Democrata. "Eu dava muito valor a seus conselhos no Senado, onde ele sempre tinha tempo para ajudar um colega novo", disse Obama, que passa férias com sua família em Martha?s Vineyard, perto da residência dos Kennedy, em Hyannis Port. "Eu sei como foi importante seu apoio em minha disputa à presidência." Obama recebeu a notícia de um assessor às 2 horas da madrugada de ontem. Ele ligou para a mulher de Ted, Vicky, às 2h25, para manifestar os pêsames. "Para sua família, ele era um guardião. Para a América, ele era o defensor de um sonho."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.