Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Reforma da saúde 'reduzirá déficit dos EUA em US$ 138 bi'

Previsão é de comissão do Congresso; versão da proposta deve ser votada no final de semana.

Alessandra Corrêa, BBC

18 de março de 2010 | 18h20

A versão final da proposta de reforma do sistema de saúde dos Estados Unidos deverá reduzir o déficit do país em US$ 138 bilhões (cerca de R$ 246 bilhões) em dez anos, segundo uma estimativa divulgada nesta quinta-feira pela Comissão de Orçamento do Congresso.

De acordo com a comissão, a reforma da saúde - que deverá ampliar a cobertura médica para mais de 30 milhões de americanos - terá custo de cerca de US$ 940 bilhões (R$ 1,6 trilhão) em dez anos.

A expectativa é de que a versão final da proposta, apresentada pelos democratas, seja votada neste fim de semana na Câmara dos Representantes (deputados federais).

O presidente Barack Obama adiou nesta quinta-feira, pela segunda vez, uma viagem que faria à Indonésia e à Austrália para permanecer em Washington e acompanhar os momentos decisivos do processo.

Na votação na Câmara, são necessários 216 votos para aprovar o projeto. Os democratas ainda não chegaram a esse número, mas dizem estar confiantes.

Momento decisivo

Muitos analistas afirmam que a aprovação da reforma da saúde é o momento decisivo do governo de Barack Obama.

Desde a campanha à Casa Branca, o presidente colocou a reforma da saúde como um dos principais objetivos de seu governo.

Segundo analistas, uma eventual rejeição ao projeto traria prejuízos à imagem do mandatário.

Caso a reforma seja aprovada, deverá representar a maior mudança no sistema de saúde dos Estados Unidos desde a década de 60, quando foi criado o Medicare, programa destinado a pessoas com mais de 65 anos.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
obamaeuausasaúdeestados unidossaude

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.