Reformistas do Irã anunciam boicote às eleições

O maior partido reformista do Irã anunciou que não apresentará nenhum candidato para as eleições parlamentares de 20 de fevereiro, por ter perdido a esperança de que possa haver uma votação livre e justa, anunciou o líder da Frente de Participação Islâmica do Irã, Mohammad Reza Khatami. "Por uma maioria avassaladora de votos, nosso partido decidiu que não participará das eleições de 20 de fevereiro. Essa é a posição oficial do nosso partido... Todas oportunidades legais foram mortas", disse numa entrevista coletiva Khatami, irmão do presidente do Irã.Quase todos os candidatos da Frente foram impedidos de concorrer à eleição - alguns deles deputados no exercício do mandato, como Khatami, que também é o vice-presidente do parlamento. Sem a Frente, candidatos islâmicos radicais deverão facilmente conquistar assentos suficientes para retomar o controle do parlamento.Mais cedo, o porta-voz do governo afirmou que o ministério iraniano havia apoiado pedidos pelo adiamento da votação parlamentar e se comprometeu, numa reunião de emergência, não promover uma eleição fraudulenta. O poderoso Conselho dos Guardiões do Irã, controlado pelos islâmicos linha-dura, tem a palavra final sobre as eleições. Entretanto, a posição do governo fortalece os reformistas, que protestam contra a decisão do Conselho de desqualificar milhares de candidatos liberais.O Conselho terá de recorrer a medidas extraordinárias - como convocar a guarda revolucionária de elite e outras forças armadas - para realizar as eleições em 20 de fevereiro, como programado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.