AP Photo/Bob Levey
AP Photo/Bob Levey

Refugiado iraquiano pretendia realizar ataque em Houston, diz investigação dos EUA

Omar Hardan, de 24 anos, se declarou inocente dos três crimes dos quais é acusado: apoiar organização terrorista estrangeira, fornecer informação falsa para obter cidadania e mentir para autoridades federais

O Estado de S. Paulo

14 Janeiro 2016 | 11h50

AUSTIN - O refugiado iraquiano acusado de simpatizar com o Estado Islâmico (EI) que foi detido na semana passada em Houston pretendia realizar um atentado contra dois shoppings dessa cidade texana como demonstração de "lealdade" ao grupo terrorista, revelou na quarta-feira 13 uma investigação federal.

Omar Hardan, de 24 anos, compareceu diante do juiz Lynn Hughes em Houston e se declarou inocente dos três crimes dos quais é acusado: apoiar uma organização terrorista estrangeira, fornecer informação falsa para obter a cidadania americana e mentir para as autoridades federais. Hughes, por sua vez, preferiu manter o acusado sob custódia.

Durante a audiência, o agente especial Herman Wittliff, do Departamento de Segurança Nacional, explicou que Hardan pretendia instalar bombas nos shoppings Sharpstown Mall e Houston Galleria para depois acioná-las com controle remoto.

Wittliff contou que o FBI estava seguindo seus passos desde abril de 2014 e que o acusado tinha adquirido recentemente alguns materiais para produzir artefatos explosivos caseiros.

A procuradoria, por sua vez, acusou Hardan de colaborar com outro refugiado iraquiano que foi detido na Califórnia, também na semana passada, para obter treinamento de combate e, com o tempo, viajar para a Síria para lutar ao lado dos jihadistas. / EFE, REUTERS e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.