Refugiados da guerra já são mais de 2 milhões

Este mês, o conflito completa dois anos e meio. Apenas nos últimos 12 meses, mais de 1,8 milhão de sírios deixaram o país

Jamil Chade, Correspondente em Genebra

02 Setembro 2013 | 23h01

Transformado na "grande tragédia do século 21", o conflito da Síria já deixa 2 milhões de refugiados e 6 milhões de deslocados internos. Os dados serão divulgados oficialmente nesta terça-feira pelas Nações Unidas. De acordo com o relatório da entidade, a guerra tem causado "sofrimento sem paralelos".

Este mês, o conflito completa dois anos e meio. Apenas nos últimos 12 meses, mais de 1,8 milhão de sírios deixaram o país. Segundo os dados do Alto-Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), há um ano o número de sírios que tinham deixado o país era bem menor: 230 mil. Metade desses refugiados tem menos de 18 anos.

O que mais preocupa a ONU é que não há nenhum sinal de que esse fluxo esteja perdendo força. Crianças, homens e mulheres cruzam as fronteiras do país todos os dias apenas com a roupa do corpo. Uma intervenção estrangeira tenderia, segundo a entidade, a causar um êxodo ainda maior. Nos bastidores, a ONU já negocia com dezenas de governos acordos para que possam receber parte desses refugiados – na Europa, na América Latina, nos EUA e no Canadá.

"A Síria transformou-se na grande tragédia deste século, uma calamidade em termos humanos com um sofrimento e deslocamento de populações sem precedentes nos últimos anos", alerta António Guterres, do Acnur.

O organismo da ONU aponta que 97% desses 2 milhões de refugiados estão nos países vizinhos da Síria, causando sérios problemas internos para essas sociedades. Por dia, em média 5 mil pessoas deixam o país em guerra. Em dois anos, a Síria já perdeu 10% de sua população, sem contar com os mais de 100 mil mortos do conflito.

Mais conteúdo sobre:
SíriaONUEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.