Umit Bektas/Reuters
Umit Bektas/Reuters

Refugiados sírios na Turquia temem retaliação após bombardeios

Atentados no fim de semana mataram 50 pessoas na fronteira entre os dois países

Reuters,

13 de maio de 2013 | 17h13

REYHANLI, TURQUIA - Refugiados sírios na Turquia dizem temer retaliação após os atentados que mataram 50 pessoas e feriram várias outras durante o fim de semana numa cidade da fronteira entre os dois países.

A Turquia abriga quase 400 mil refugiados da guerra civil síria, que já dura dois anos, e o primeiro-ministro turco, Tayyip Erdogan, surgiu como um dos líderes mais ativos da região em apoio à revolta contra o presidente sírio, Bashar Assad.

Os bombardeios na cidade de fronteira Reyhanli aumentaram os temores de que a guerra civil da Síria esteja se alastrando para países vizinhos apesar dos esforços diplomáticos para evitar esse movimento. Damasco negou as alegações turcas de que o regime sírio estaria envolvido nos ataques.

"Estamos colocando nossa confiança em Deus, mas nosso medo é que nos culpem pelos bombardeios e nos ataquem. Temos que nos proteger", disse Mohammad Nuh, um dos milhares de refugiados vivendo em Reyhanli.

Desde os ataques, alguns moradores demonstraram raiva com o fluxo de sírios na cidade. Muitos expressaram frustração com as políticas de Erdogan, culpando o apoio do premiê aos opositores de Assad pelos impactos da guerra além da fronteira.

A maioria dos residentes dessa parte da Turquia é de árabes e muçulmanos sunitas, como a maioria dos refugiados que escaparam do regime de Assad, integrante da minoria alauíta.

 
Tudo o que sabemos sobre:
SíriaTurquiaRefugiados

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.