Refugiados sírios no Líbano já chega a 1 milhão

O número de refugiados da Síria superou a marca de um milhão de pessoas no Líbano, informou nesta quarta-feira a Organização das Nações Unidas (ONU). Três anos após o início dos conflitos no país de 4,5 milhões de habitantes, o Líbano se tornou o país com maior concentração per capita de refugiados em todo o mundo na história recente.

Agência Estado

03 de abril de 2014 | 07h34

Como resultado, o governo libanês está lutando para controlar uma enorme crise que tem se tornado um desafio sem precedentes para as agências de ajuda financeira. Além da pressão social e econômica causada pela chegada dos refugiados, a guerra síria tem invadido o território do Líbano e causado inúmeras mortes.

Militantes do grupo libanês xiita Hezbollah estão lutando ao lado das forças do presidente Bashar Assad na Síria, enquanto a população libanesa sunita tem apoiado os rebeldes no país vizinho. Segundo a ONU, quase 2,5 mil sírios entram em território libanês por dia - mais de uma pessoa por minuto.

Além dos refugiados registrados, existem dezenas de milhares de outros sírios que não foram cadastrados no governo do Líbano, que são estimados em 400 mil pessoas.

"O fluxo de um milhão de refugiados seria massivo em qualquer país. Para o Líbano, uma pequena nação afetada por dificuldades internas, o impacto é impressionante", disse António Guterres, alto comissário da agência de refugiados da ONU.

Em abril de 2012, segundo a organização, havia 18 mil refugiados sírios registrados na Líbia. Um ano depois, esse número chegou a 356 mil e, no início deste mês, atingiu a marca de um milhão.

O Banco Mundial estima que a crise da Síria custou ao Líbano cerca de US$ 2,5 milhões em perdas na atividade econômica durante 2013 e quase 170 mil libaneses podem entrar na linha da pobreza neste ano. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
SÍRIAREFUGIADOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.