Refugiados sudaneses tentam linchar funcionário do governo

Refugiados expulsos de suas casas pelo conflito étnico em Darfur, no oeste do Sudão, atacaram um funcionário do governo a pauladas, dizendo que ele não era melhor que os árabes acusados de cometer atrocidades na região. A tentaiva de linchamento foi testemunhada por Andrew Natsios, administrador da Agência dos Estados Unidos para Desenvolvimento Internacional.?Agora está confirmado, de modo terrível, que se tem uma situação explosiva?, disse Natsios. ?Recebemos informes de que há um ódio total nos campos? de refugiados. O governo do Sudão se queixa de estar sendo injustamente acusado de cumplicidade com os janjaweed, milícias árabes responsabilizadas pela limpeza étnica que estaria em curso em Darfur.A impaciência da população é evidente em Mornie, uma cidade de 5.000 habitantes que agora abriga cerca de 75.000 sem-teto, fugitivos da guerra.Enquanto Natsios entrevistava alguns dos desabrigados, um funcionário não identificado do governo sudanês tentava silenciar os que se queixavam de não poder voltar para suas casas, por medo de novos ataques dos janjaweed e do próprio governo.?Cale a boca, você é janjaweed! Cale a boca, você é do governo!?, gritavam alguns na multidão, que passaram a agredir o funcionário a pauladas. O homem já sangrava de diversas feridas na cabeça quando seguranças da União Africana conseguiram afastar os agressores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.