AP Photo/Martin Mejia
AP Photo/Martin Mejia

Reggae vira hino de imigrantes venezuelanos

Vídeo de Reymar Perdomo, que deixou a Venezuela e seguiu para o Peru, torna-se viral na internet

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de janeiro de 2019 | 21h19

LIMA - Um ano atrás, a imigrante venezuelana Reymar Perdomo cantava em ônibus lotados em troca de moedas, lutando para chegar ao fim do mês enquanto reconstruía sua vida em Lima. A reviravolta aconteceu quando ela compôs um reggae sobre sua fuga da Venezuela, que se tornou viral na internet, arrancando lágrimas da diáspora venezuelana espalhada pelo mundo.

 Na canção, Perdomo, de 30 anos, fala da dúvida em deixar a Venezuela e sobre sua viagem por quatro países até chegar ao Peru. A nostálgica canção, gravada e divulgada pelo YouTube, teve mais de 2 milhões de visualizações e seu videoclipe, publicado em agosto, foi visto por 1,3 milhão de internautas.

Agora, a cantora venezuelana mescla atuações nas ruas da capital peruana com aparições em shows e programas de TV. Sua canção se tornou o hino dos que fugiram da crise na Venezuela. De acordo com a Organização Internacional de Imigrações (OIM), mais de 3 milhões de venezuelanos já deixaram o país desde 2015.

Em dezembro, Perdomo foi convidada para ir à Colômbia por um popular comediante e youtuber que a fez cantar em um ônibus e a surpreendeu com a presença dos cantores Carlos Vives, ganhador de vários prêmios Grammy, e André Cepeda.

Perdomo disse que quase desmaiou quando Vives, que usava um chapéu e um bigode falso, tirou o disfarce a começou a cantar em coro seu reggae.

"Isso aconteceu justamente um ano depois que saí da Venezuela e estar ali, cantando com um de meus cantores favoritos, foi a maior prova de que Deus existe", disse Perdomo.

Na Venezuela, ela trabalhava como professora de música em uma escola pública no Estado rural de Guárico e tinha participado de um concurso de talentos na televisão. 

Sua mãe, seu irmão, sua cunhada e um sobrinho de 1 ano agora estão com ela no Peru, onde dividem um pequeno apartamento alugado em um setor popular de Lima. Apenas o irmão de Perdomo encontrou um trabalho estável como segurança em um clube noturno, por isso ela trabalha várias horas para ajudar a sustentar a família.

No entanto, sua fama nas redes sociais a está abrindo novas portas. Perdomo disse que Vives a convidou para atuar de forma regular em um clube noturno em Bogotá e está falando com organizaçãoes na Colômbia sobre a possibilidade de gravar um disco centrado na difícil situação dos imigrantes.

Essas oportunidades a fazem pensar em uma nova mudança, desta vez para Bogotá.

"Foi um ano difícil, mas também foi um ano maravilhoso", disse Perdomo. "Creio que você não precisa de dinheiro para poder ajudar e fazer o que quer. Simplesmente basta acreditar em você e ter vontade de fazer as coisas." / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.