Reuters
Reuters

Regime da Síria retoma controle da cidade de Palmyra e expulsa Estado Islâmico

Retomada de cidade histórica é a primeira vitória importante do regime do presidente Bashar al-Assad contra o grupo extremista

O Estado de S.Paulo

27 de março de 2016 | 08h24

BEIRUTE - Forças do governo sírio apoiadas por forte apoio aéreo russo expulsaram neste domingo, 27, o Estado Islâmico de Palmyra, em uma ação qualificada pelo Exército de “golpe mortal” contra os militantes que capturaram a cidade no ano passado e dinamitaram seus templos históricos.

A perda de Palmyra representa um dos maiores revezes sofridos pelo grupo radical islâmico desde que declarou um califado, em 2014, ao longo de trechos da Síria e do Iraque. 

O Comando-Geral do Exército sírio disse que suas forças conquistaram a cidade com o apoio de ataques aéreos russos e sírios. Palmyra se tornará “uma plataforma de lançamento para expandir nossas operações militares contra o grupo em Raqqa e Deir al-Zor”, afirmou o Exército, prometendo “apertar o cerco contra o EI e interromper suas rotas de suprimento”.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), organização opositora ao regime de Damasco, que opera em Londres, disse que ainda havia conflitos no leste de Palmyra na manhã de domingo, em torno da prisão e dentro do aeroporto, mas a maior parte das forças do EI recuaram para o leste, deixando a cidade sob o controle do presidente Bashar Assad. 

Após a reconquista de Palmyra, resta apenas a cidade de Al-Alianiyé, localizada 60 km ao sul, para as forças pró-regime recuperarem o controle do deserto sírio e avançarem em direção à fronteira com o Iraque, em grande parte controlada pelos jihadistas.

Assad afirmou que a estratégia usada por suas tropas é mais eficaz do que a da coalizão internacional liderada pelos EUA. Em declarações divulgadas pela agência de notícias Sana, o líder sírio afirmou que a coalizão “carece de seriedade ao lutar contra o terrorismo e conseguiu muito pouco desde sua criação, há um ano e meio”, quando começou a bombardear alvos do EI na Síria.

Ele ainda ressaltou que a retomada de Palmyra é uma “nova evidência da eficácia da estratégia do Exército e de seus aliados na guerra contra o terrorismo”. Os comentários foram feitos por Assad durante encontro com uma delegação francesa que visita o país.

O presidente russo, Vladimir Putin, parabenizou Assad por recuperar a cidade, segundo o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov. “Assad valorizou muito a ajuda que as forças aéreas russas têm fornecido e ressaltou que sucessos como a retomada de Palmyra teriam sido impossíveis sem o apoio russo”, disse Peskov, segundo a agência de notícias TASS. / REUTERS, EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.