Bob Strong/Reuters
Bob Strong/Reuters

Regime de Kadafi desmorona, diz Otan

Rebeldes avançam rumo a Trípoli após tomada de uma das principais bases militares de defesa do governo do ditador; apesar de aparente impulso insurgente, porta-voz de líder líbio diz que situação está ''sob controle'' e culpa Ocidente por mortes no país

, O Estado de S.Paulo

22 de agosto de 2011 | 00h00

TRÍPOLI

Rebeldes líbios avançavam ontem rumo ao centro de Trípoli, enfrentando uma resistência menor do que se previa das forças de segurança leais a Muamar Kadafi. O avanço ocorreu depois de os rebeldes terem tomado uma base militar responsável pela defesa do último reduto político do ditador e fez com que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) decretasse o "desmoronamento" do regime de Kadafi.

"O regime de Kadafi está claramente em sua última fase", afirmou a porta-voz da Otan Oana Lungescu. "O que vemos é gente arrumando as malas, três altas personalidades desertando nos últimos dias e o território controlado por Kadafi se estreitando diante de nossos olhos."

Os ataques na área da capital líbia tiveram início no sábado em uma revolta coordenada em segredo entre células rebeldes "adormecidas" no interior de Trípoli que ontem recebiam reforço dos opositores vindos do leste da Líbia. A Praça Verde, símbolo da resistência do governo durante a revolta, foi tomada por manifestantes que celebravam o avanço rebelde e recebeu o nome de "Praça dos Mártires".

O grupo a caminho da capital afirmou ter quebrado o "anel de aço" de defesa estipulado pelas forças de Kadafi ao assumir o controle de uma base da 32.ª brigada, unidade militar de elite comandada por Khamis Kadafi, filho do ditador. Após tomar a base, os opositores hastearam a bandeira rebelde no local e carregaram caminhões com armas e munições.

Um porta-voz dos insurgentes afirmou que o grupo abriu uma nova linha de ataque em Trípoli ao enviar mais combatentes de barco à capital pelo porto de Misrata. Segundo os rebeldes, os primeiros ataques em Trípoli foram realizados em conjunto com a Otan. "Estamos coordenando os ataques de dentro da cidade e há tropas nossas de fora prontas para entrar em Trípoli", afirmou Anwar Fekini, líder rebelde exilado na Tunísia. "Se você ligar para qualquer telefone em Trípoli, você escutará ao fundo o belo som das balas da liberdade", disse em referência à troca de tiros entre os insurgentes e as forças leais a Kadafi.

Prisão. O paradeiro de Kadafi ainda era desconhecido ontem, mas, em pronunciamento na TV estatal, ele conclamou seus partidários a defender Trípoli da ofensiva rebelde. Ontem, o Tribunal Penal Internacional (TPI) anunciou que rebeldes teriam prendido Seif Kadafi, filho do ditador e seu provável sucessor.

Apesar do avanço rebelde na capital, o porta-voz do governo líbio, Moussa Ibrahim disse que a cidade permanece defendida por "milhares de soldados profissionais e voluntários" leais ao governo. "Nós vamos lutar. Temos cidades inteiras do nosso lado. Eles estão vindo em massa para proteger Trípoli", afirmou.

No entanto, os acontecimentos na capital sugerem uma possível mudança decisiva na insurgência de seis meses contra Kadafi, que já se transformou em uma das revoltas mais sangrentas do mundo árabe. Segundo ele, a ofensiva dos últimos dias resultou em 3 mil mortes. "Nós apontamos os senhores (Barack) Obama, (David) Cameron, e (Nicolas) Sarkozy como responsáveis morais para cada uma das mortes desnecessárias que acontecem neste país", disse Ibrahim. / AFP, AP, REUTERS e NYT

SINAIS DA QUEDA

Avanço maciço sobre Trípoli: Rebeldes, com apoio de bombardeios da Otan, marcham na direção do centro de Trípoli praticamente sem encontrar resistência

Cerco à capital: Com as linhas de suprimento cortadas pelos rebeldes e o bloqueio naval da Otan, forças de Kadafi não têm como se reabastecer

Rendição do corpo de segurança pessoal: Emissoras de TV árabes informam que guarda-costas de Kadafi se entregaram aos rebeldes que avançam em Trípoli

Prisão de dois filhos do ditador: Segundo fontes dos rebeldes, dois filhos de Kadafi, Neif e Said al-Islam, foram capturados no domingo

Deserção dos principais assessores do regime: Depois da fuga de vários funcionários do regime e militares, o ministro do Petróleo e o principal articulador político de Kadafi deixaram o país nos últimos dias

Chamada de Kadafi à negociação: Segundo seu porta-voz, ditador, agora, estaria disposto a dialogar com a oposição

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.