Regime de Saddam mantém opressão sobre curdos

O regime de Saddam Hussein continua torturando seus adversários. Diante da previsão de um ataque iminente, a repressão dos agentes da polícia aumentou substancialmente na cidade de Kirkuk, contra a população curda. Essa cidade, rica em petróleo, vem sofrendo um processo de ?arabização? nos últimos anos. Os curdos, que ainda constituem a maioria da população, prometem pegar em armas para vingar-se do regime, aguardando apenas a chegada das tropas americanas nessa frente.Diversos moradores curdos afirmam que a situação, nos últimos dias, se tornou insustentável, a tal ponto que muitos estão fugindo da região, menos por medo das bombas americanas e mais pelo medo da vingança de agentes do regime de Saddam.A multiplicação das batidas dos policiais iraquianos contra os curdos tem contribuído para aumentar a psicose na qual vive a população. Reivindicada pelos curdos como sua capital cultural, Kirkuk foi submetida a esse processo de ?arabização? étnica e cultural pelo Partido Baath, de Saddam.Recentemente, o regime deslocou numerosas famílias iraquianas para a região. Como a Turquia também se interessa por Kirkuk, cidade de forte diversidade étnica, onde vive também uma comunidade turca, os americanos prometeram garantir a segurança das comunidades e evitar uma guerra civil, o que constituiria uma catástrofe após a queda do regime.Os primeiros refugiados já estão chegando à região curda no norte do Iraque e à fronteira turca, fugindo de um ataque americano iminente. Várias famílias de Kirkuk e Mosul - esta, também na área controlada por Bagdá - começaram a ir para a área curda iraquiana, que faz parte da zona de exclusão aérea no norte, estabelecida pelos EUA e Grã-Bretanha, após a Guerra do Golfo. As zonas de exclusão no norte e no sul são patrulhadas pela aviação anglo-americana.Milhares de curdos na região fora do controle de Saddam estão abandonando sua capital, Arbil, pois temem que as forças iraquianas lancem armas químicas contra a região, como fizeram em 1991, quando a população local se rebelou contra o regime de Saddam. Durante a Guerra do Golfo, estima-se que cerca de 2 milhões de curdos iraquianos fugiram para a Turquia e o Irã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.