Kim Hee-chul / EFE
Kim Hee-chul / EFE

Regime norte-coreano destaca concessões americanas feitas durante reunião histórica

Agência 'KCNA' fala sobre a intenção de Trump de acabar com os exercícios militares conjuntos com a Coreia do Sul, oferecer garantias ao Norte e suspender as sanções contra o país conforme as relações melhorarem

O Estado de S.Paulo

13 Junho 2018 | 10h23

SEUL - A imprensa estatal norte-coreana elogiou nesta quarta-feira, 13, a reunião histórica entre o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o presidente dos EUA, Donald Trump, qualificando o encontro como um sucesso estrondoso e destacando as concessões do americano e a perspectiva de uma nova era de paz e prosperidade na Península Coreana. 

+ Após reunião com Kim, Trump diz que ameaça nuclear da Coreia do Norte acabou

+ Mais de 70% dos americanos aprovam as conversas diretas entre Trump e Kim Jong-un

A Agência Central Coreana de Notícias (KCNA) reportou que Trump expressou sua intenção de acabar com os exercícios militares conjuntos com a Coreia do Sul, oferecer garantias ao Norte e suspender as sanções contra o país conforme as relações melhorarem.

+ Encontro ameaça fragilizar alianças dos EUA na Ásia

+ Trump recua forças na Ásia e em troca Kim acena com plano vago de desarme

O presidente dos EUA disse em entrevista coletiva na terça-feira, após sua conferência com o norte-coreano em Cingapura, que gostaria de suspender as sanções, mas que isso não aconteceria de maneira imediata. 

Kim e Trump fizeram convites um ao outro para visitas em seus respectivos países, e ambos os líderes “aceitaram de bom grado”, informou a KCNA

A reunião foi a primeira entre um líder americano e um norte-coreano, e seguiu uma série de testes nucleares e de mísseis e trocas enfurecidas de insultos e ameaças entre Trump e Kim em 2017 que alimentaram temores de uma possível guerra. 

“Kim Jong-un e Trump tiveram o reconhecimento mútuo de que é necessário apoiar o princípio de ações simultâneas, passo a passo, para conseguir paz, estabilidade e desnuclearização da Península Coreana”, disse a KCNA

Trump confirmou que os EUA iriam parar seus exercícios militares com a Coreia dos Sul enquanto a Coreia do Norte negociasse a desnuclearização. “Nós não iremos fazer os jogos de guerra enquanto estamos negociando de boa fé”, disse o republicano ao canal Fox News em uma entrevista em Cingapura após a reunião. 

“Então, isso é bom por uma série de razões. Além disso, economizaremos uma imensa quantia de dinheiro”, disse Trump. “Você sabe, essas coisas, elas custam. Odeio parecer um homem de negócios, mas eu sempre perguntava: quanto isso está custando?” 

Em Pequim, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shunang, disse que esperava que todas as partes pudessem “aproveitar o momento de mudanças positivas” na península para tomar passos construtivos em direção a uma resolução política e à promoção da desnuclearização. 

“Neste momento, todos já tinham visto que a Coreia do Norte havia suspendido seus testes nucleares e de mísseis, e que os EUA e a Coreia do Sul restringiram suas ações militares. Isso, de fato, acabou realizando a proposta chinesa de suspensão dupla”, disse Shunang em um pronunciamento diário à imprensa. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.