Regime sírio intensifica bombardeios contra reduto opositor de Homs

Combates entre o Exército e os rebeldes prosseguem hoje em várias áreas do país

Efe,

17 de junho de 2012 | 17h38

O Exército sírio intensificou neste domingo seus bombardeios contra o bastião opositor de Homs, no centro do país, segundo os grupos da oposição, que denunciaram a morte de várias dezenas de pessoas em todo o país.

 

Os Comitês de Coordenação Local (CCL) informaram em comunicado que o Exército bombardeou as localidades de Telbise e Al Rastan, em Homs, causando 11 mortes, número que o Observatório Sírio de Direitos Humanos rebaixou para nove.

 

Também foram registrados intensos disparos de franco-atiradores no bairro de Al Jalidiya, assim como bombardeios com tanques e artilharia no povoado de Abl, onde uma creche foi incendiada.

Ambos grupos opositores informaram, além disso, ataques militares contra os civis nas províncias de Hama, na periferia de Damasco, Deir ez Zor e Aleppo, mas enquanto os CCL elevaram o número total de mortos para 43, o Observatório falou em 27 vítimas mortais.

 

Os combates entre o Exército e os rebeldes prosseguem hoje em várias áreas do país e ocorreram deserções de uniformizados para unir-se à insurreição.

 

Ontem o chefe da missão de observadores da ONU na Síria, o general norueguês Robert Mood, anunciou a suspensão da operação devido à intensificação da violência nos últimos dez dias, uma decisão que, afirmou, seria revisada diariamente a partir desse momento.

 

Os CCL consideraram que a medida representa um "fracasso" da comunidade internacional na hora de "tratar de forma efetiva e responsável" a situação na Síria.

 

De acordo com dados da ONU, desde março de 2011 mais de 10 mil pessoas morreram na Síria por causa da violência, 230 mil se deslocaram de forma interna e mais de 60 mil buscaram refúgio em países limítrofes, como Turquia e Líbano. 

Tudo o que sabemos sobre:
Primavera arabeSiria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.