Regime sírio tem colaborado com destruição de armas químicas, diz ONU

Segunda equipe de inspetores deve começar a trabalhar na eliminação do arsenal

O Estado de S. Paulo,

09 de outubro de 2013 | 11h42


Inspetor da Opaq visita instalação na Síria . Foto: EFE

HAIA, HOLANDA - O chefe da Organização para Proibição de Armas Químicas da ONU (Opaq), Ahmet Uzumcu, disse nesta quarta-feira, 9, que autoridades sírias têm sido "bastante colaborativas" nos estágios iniciais da missão para destruir as armas químicas da Síria.

Veja também:
link TV Estadão: Programa Interseção discute o futuro de Assad 
link Gilles Lapouge: Os jihadistas na Síria 

Segundo ele, a equipe de especialistas responsável por eliminar o arsenal de gases venenosos do regime de Bashar Assad pretende visitar 20 locais nos próximos dias e semanas. Na avaliação da Opaq, as armas químicas sírias até 2014 é "realista", se a equipe receber apoio internacional.

Uma segunda equipe de inspetadores, que se unirá à missão de especialistas em armas químicas que trabalha atualmente na Síria, chegou nesta quarta-feira em Beirute rumo à Síria.

No domingo, funcionários sírios começaram a destruir certas armas químicas de categoria 3 e a inutilizar  peças a fim de desmantelar todas as instalações de produção até 1 de novembro.

Calcula-se que a Síria tem cerca de 1 milhão de toneladas de armas químicas, por isso que seu controle, transporte e destruição é "perigoso". / REUTERS e EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Síriaarmas químicas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.