Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
REUTERS/Khalil Ashawi
REUTERS/Khalil Ashawi

Regiões sitiadas na Síria aguardam chegada de comboios de ajuda humanitária

Mesmo sob acordo de cessar-fogo, caminhões com alimentos e outros produtos básicos estão bloqueados na fronteira com Turquia

O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2016 | 11h46

BEIRUTE - As regiões sitiadas na Síria aguardavam na quarta-feira com impaciência os prometidos comboios de ajuda humanitária, que seguem bloqueados, apesar de uma significativa redução da violência após a trégua de 48 horas negociada por EUA e Rússia.

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, informou que mantém conversas com americanos e russos para que pressionem todas as partes visando garantir a segurança dos comboios de ajuda da ONU na cidade de Alepo.

Segundo Ban, caminhões carregados com alimentos e outros produtos básicos estão na fronteira entre Turquia e Síria aguardando a liberação do trajeto para Alepo. A ONU está "completamente pronta" para enviar 20 caminhões com ajuda a Alepo, mas a situação em matéria de segurança ainda não permite isto.

"É absolutamente essencial" que os beligerantes "façam os necessários acertos de segurança" para que os caminhões possam avançar. Ban destacou que conta com a Rússia, por um lado, para exercer pressão sobre o governo sírio, e com os EUA, por outro, para convencer a oposição armada. No dia anterior, o emissário da ONU, Staffan de Mistura, pediu garantias para os motoristas dos caminhões.

O porta-voz do Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) na Síria, David Swanson, não quis arriscar uma data para a entrada do comboio de caminhões, mas afirmou que possivelmente haja "algum tipo de avanço positivo" ao longo do dia. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.