Registro que implica Rajoy é original, diz ex-deputado

Segundo Jorge Trías, documento contábil exibido em audiência em Madri é de Bárcenas, ex-tesoureiro do PP

ANDREI NETTO, ENVIADO ESPECIAL / MADRI, O Estado de S.Paulo

08 de fevereiro de 2013 | 02h06

Os documentos contábeis que ligam o primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy, a um esquema de caixa 2 e de comissões ilegais pagas por empreiteiras espanholas são originais. A revelação veio a público ontem, um dia depois do depoimento que o ex-deputado do Partido Popular Jorge Trías concedeu ao Ministério Público de Madri. Defrontado com os originais obtidos pelo jornal El País, o ex-parlamentar confirmou que as tabelas contábeis são do ex-tesoureiro Luis Bárcenas, pivô do escândalo.

Trías reconheceu os documentos no depoimento que concedeu na quarta-feira, na condição de testemunha, à Promotoria contra a Corrupção e a Criminalidade Organizada do MP espanhol. Instigado pelo promotor do caso, Antonio Romeral, o ex-deputado tomou em mãos o caderno no qual constam valores de "doações" feitas por empresas privadas e seus beneficiários no PP, entre os quais Mariano Rajoy. Questionado se conhecia os registros do ex-tesoureiro, Trías foi enfático ao afirmar que, "sem nenhuma dúvida", o caderno contábil era de Bárcenas e lhe havia sido apresentado anos antes.

O caderno registra entradas e saídas de dinheiro fornecido por empresas privadas para alimentar o caixa 2. Os recursos foram transformados em "salários", não declarados ao fisco, distribuídos a dirigentes do PP, entre eles o ex-premiê José María Aznar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.