Rei Abdullah pede envolvimento da UE no Oriente Médio

O rei da Jordânia Abdullah II pediu ao alto representante para Política Externa e Segurança Comum da União Européia (UE), Javier Solana, que o bloco europeu "intensifique" seu papel na retomada do processo de paz entre israelenses e palestinos e em garantir condições adequadas para as negociações.Esta foi a mensagem que o rei Abdullah transmitiu a Solana, queestá em meio a uma viagem pela região para tentar retomar o processode paz. Segundo o comunicado, o monarca fez um apelo para que o Quartetode Madri (UE, Estados Unidos, ONU e Rússia) crie um novo cenário quetorne possível trabalhar pela paz, tomando como base as resoluçõesda ONU, a iniciativa de paz árabe e a criação de um Estado palestinoque viva em paz com Israel. Após a audiência real, Solana disse que percebeu uma "oportunidade" para retomar as negociações de paz baseada na "vontade política" internacional e dos atores da região."Tive uma reunião muito construtiva com o rei. O objetivo desta viagem pela região é ver como podemos trabalhar juntos para conseguir que o processo de paz volte a ser colocado em andamento", afirmou o alto representante."Acreditamos que agora existe uma oportunidade que não devemosperder", acrescentou Solana, ao dizer que há um esforço para tentarmobilizar todos os elementos para conseguir que o processo de pazFuncione.Solana acrescentou que, com a vontade política atual, "aaproximação" ao conflito do Oriente Médio deveria passar de "umestado de crise a algum tipo de solução".O enviado europeu disse ter esperança de que o encontro doQuarteto de Madri, que acontecerá em Nova York em 2 de fevereiro,será crucial para impulsionar as negociações de paz entreisraelenses e palestinos.Sobre a próxima reunião entre o presidente da Autoridade NacionalPalestina (ANP), Mahmoud Abbas, e o dirigente do Hamas KhalidMashaal, em Damasco, Solana afirmou que a UE aóia o entendimentoentre palestinos.No entanto, acrescentou que o bloco europeu "respeitará asdecisões tomadas pelo presidente Abbas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.