Rei da Jordânia faz censura a Netanyahu

O rei Abdullah II da Jordânia disse que vai pressionar o governo de Barack Obama na semana que vem para impor a Israel os termos e um cronograma para novas conversações de paz com os palestinos. As preocupações com a questão crescem no governo jordaniano, pois teme-se que a paralisação do diálogo possa impulsionar uma nova rodada de violência no Oriente Médio que tenha como alvo países árabes moderados.

AE, Agência Estado

05 de abril de 2010 | 20h27

O líder jordaniano também fez, em entrevista hoje ao "Wall Street Journal", uma censura ao primeiro ministro Benjamin Netanyahu, dizendo que sua política de construir casas para famílias judias em Jerusalém Oriental colocou as relações entre Jordânia e Israel em seu pior ponto desde o tratado de paz de 1994.

O rei Abdullah disse que ele outros líderes árabes moderados têm cada vez mais dúvidas de que Netanyahu seja capaz de fazer as concessões necessárias para criar um Estado palestino independente e pedem a intervenção direta ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.