Rei da Jordânia pede "esforços redobrados" pela paz

O rei Abdullah II da Jordânia pediu que os "amigos da paz redobrem seus esforços", em meio a uma nova onda de derramamento de sangue em Israel e nos territórios palestinos. "Nossa região atravessa um momento crítico", afirmou o rei jordaniano, em discurso durante a convenção anual da Organização Internacional de Trabalho (OIT), em Genebra, Suíça. "O que está em jogo é a credibilidade, não apenas de nossos próprios países, mas de toda a comunidade internacional", declarou.Na semana passada, o rei jordaniano foi o anfitrião de uma reunião de cúpula entre os primeiros-ministros israelense, Ariel Sharon, e palestino, Mahmoud Abbas, que culminou no lançamento de um plano de paz elaborado por mediadores internacionais. O encontro ocorreu em Ácaba, Jordânia, e contou ainda com a participação do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush. No entanto, as perspectivas de paz foram reduzidas por incidentes de violência que, em dois dias, já causaram mais de 30 mortes.O monarca reiterou sua crença de que o plano de paz é a única saída."Para os israelenses, esse plano oferece garantias coletivas de segurança por parte de todos os árabes, além de um tratado de paz e relações normais com os Estados árabes e o fim do conflito. Aos palestinos, o plano oferece o fim da ocupação, a criação de um Estado viável e a promessa de viver como um povo livre", afirmou.O monarca jordaniano disse ainda que as sementes do extremismo germinam na miséria e na pobreza. "Apenas derrotando a pobreza nós poderemos sanar as divisões e o desespero que alimentam a violência global. Isso exige desenvolvimento sócio-econômico sustentável, um desenvolvimento que possibilite a todas as pessoas uma vida digna", declarou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.