Rei da Jordânia rejeita plano de Olmert para evacuar Cisjordânia

O rei Abdullah II da Jordânia afirmou nesta segunda-feira que seu país rejeita o plano proposto pelo primeiro-ministro designado israelense, Ehud Olmert, de retirada de Israel da Cisjordânia.O monarca manifestou tal rejeição em reunião que manteve com o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, em visita à capital jordaniana, informa um comunicado da Casa Real da Jordânia.Na reunião com Abbas, Abdullah II reiterou sua rejeição porconsiderar que "as soluções unilaterais não contribuem paraestabelecer uma paz permanente e total no Oriente Médio", indica a nota.Abdullah II referia-se desse modo ao plano que Olmert anunciou na campanha do pleito legislativo israelense de março, que prevê a retirada dos assentamentos judaicos mais isolados da Cisjordânia, e a conservação dos localizados ao redor de Jerusalém Oriental.Além disso, o monarca considerou que a próxima cúpula do Quarteto para o Oriente Médio - integrado por Estados Unidos, a União Européia, Rússia e ONU -, que será realizada em Nova York, no próximo dia 9, é "um importante passo para revitalizar o processo de paz entre palestinos e israelenses".Também participarão dessa reunião representantes de Egito, Arábia Saudita e Jordânia, indica o comunicado.O rei da Jordânia se comprometeu com Abbas a "utilizar todos seus contatos na esfera internacional para conseguir um mecanismo efetivo que permita enviar ajuda ao povo palestino a fim de que seja capaz de superar a crise econômica que vive".Esse compromisso jordaniano ocorre depois de União Européia e Estados Unidos além de outros países ocidentais, anunciarem a suspensão da ajuda financeira ao Governo palestino, liderado pelo movimento extremista islâmico Hamas, por não cumprir os "padrões internacionais" ao negar-se a reconhecer ao Estado de Israel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.