Heng Sinith/Arquivo/Efe
Heng Sinith/Arquivo/Efe

Rei do Camboja morre aos 89 anos em Pequim

Norodom Sihanouk sofreu um ataque cardíaco nesta segunda-feira, disse seu sobrinho, príncipe Sisowath Thomico

AE, Agência Estado

15 de outubro de 2012 | 16h32

PEQUIM - O rei do Camboja, Norodom Sihanouk, morreu nesta segunda-feira, 15, aos 89 anos em Pequim. Sihanouk atravessou uma vida atribulada e polêmica, governando o Camboja como monarca nominal entre 1941 e 1955, durante o fim do período colonial francês, e mais tarde entre 1993 e 2004, após o fim do regime genocida do Khmer Vermelho.

Sihanouk foi coroado rei em 1941 aos 18 anos e primeiro governou como um monarca absoluto, prestando homenagens apenas aos franceses. Quando o Khmer tomou o poder, em 1975, ele foi chamado de colaboracionista dos comunistas - embora tenha ficado preso e tenha perdido cinco filhos, mortos pelo Khmer. Na década de 1990, após a queda do Khmer, ele assumiu um papel de pacificador e monarca constitucional do Camboja.

Desde janeiro, Sihanouk vivia em Pequim, onde recebia tratamento médico para várias doenças que sofreu nos últimos anos, entre elas câncer no cólon, diabetes e hipertensão. O príncipe Sisowath Thomico, sobrinho de Sihanouk, disse que o monarca sofreu um ataque cardíaco em um hospital de Pequim e faleceu na madrugada desta segunda-feira.

Sihanouk abdicou da monarquia em 2004, citando problemas de saúde. Ele foi sucedido por seu filho Norodom Sihamoni. Nesta segunda-feira, Sihamoni e o primeiro-ministro do Camboja Hun Sen foram a Pequim buscar o corpo do monarca. Um funeral oficial deverá ser realizado na capital cambojana em data ainda não marcada.

História

Nascido em 31 de outubro de 1922, Sihanouk foi coroado em 1941 rei do Camboja pelos franceses, que achavam que o jovem nobre seria mais facilmente controlado que outros parentes na linha sucessória real cambojana. Em 1955, dois anos após o fim do regime colonial, Sihanouk abdicou do trono, organizou um partido político e manteve vários mandatos como primeiro-ministro do Camboja.

Em 1963, ele mudou a Constituição e virou primeiro-ministro vitalício. Ele foi um dos fundados do Movimento dos Países Não Alinhados. Em 1970, devido à crescente aliança com a China e o Vietnã, Sihanouk foi deposto em um golpe de Estado.

Ele fugiu e a partir do exílio começou a apoiar a guerrilha do Khmer Vermelho - um grupo maoista violento, que chegou ao poder em 1975 e conduziu um genocídio, matando 1,7 milhão de cambojanos. Sihanouk voltou ao Camboja e foi preso por seus ex-aliados comunistas - só não foi fuzilado devido à interferência do líder chinês Chu En-Lai.

Sihanouk virou então um títere do ditador Pol Pot. Em 1978, tropas do Vietnã invadiram o Camboja e derrubaram o Khmer. Sihanouk, contudo, denunciou a invasão vietnamita e organizou um exército que prosseguiu a guerra.

No final dos anos 1980, suas tropas contaram com apoio do então presidente norte-americano Ronald Reagan, que desenvolvia uma política contra a União Soviética e o Vietnã, aliado dos soviéticos. Sihanouk voltou do exílio na China ao Camboja em 1991 após a retirada dos vietnamitas e conseguiu restaurar a monarquia, com poderes limitados, em 1993.

Com AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.