Rei do Camboja quer casamentos gays em seu país

Depois de ver pela TV imagens de casamentos gays em São Francisco, na Califórnia, o rei Norodom Sihanouk achou que esta poderia ser uma forma de exercitar a liberalidade de sua monarquia. ?Uma vez que o Camboja escolheu, em 1993, tornar-se uma democracia liberal, acho que deveria permitir casamento entre homem e homem... ou entre mulher e mulher?, diz em nota divulgada por seu site na Web hoje.O rei, atualmente em visita médica a Pequim, disse ainda que os travestis deveriam ser ?aceitos e bem-tratados em nossa comunidade nacional.? Sihanouk é um monarca constitucional sem poderes executivos mas altamente respeitado em seu país, onde até agora, casamentos homossexuais não eram permitidos. As comunidades rurais cambojanas acham difícil entender a homossexualidade, diz Meas Chan Than, membro da organização não governamental Grupo Setor Urbano, que trabalha com a comunidade gay.Se o rei conseguir aprovação constitucional para sua idéia, o Camboja poderá se tornar um pólo de atração para casais homossexuais como São Francisco, que concedeu mais de 1.800 licenças de casamento na semana passada, em meio a um debate nacional sobre se os Estados Unidos devem permitir esse tipo de união.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.